Fase vermelha em SP libera retorno das aulas presenciais nas escolas

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
Escolas serão reabertas para aulas presenciais (AP Photo/Andre Penner)
Escolas serão reabertas para aulas presenciais (AP Photo/Andre Penner)
  • Governo anunciou flexibilização das medidas e retorno à fase vermelha

  • Escolas poderão voltar a receber alunos a partir da semana que vem

  • Decisão sobre a reabertura, porém, dependerá da prefeitura de cada cidade

O Governo do Estado de São Paulo anunciou nesta sexta-feira a regressão à fase vermelha do Plano SP de combate à Covid-19 a partir de 12 de abril. A flexibilização das medidas permite a reabertura das escolas para aulas presenciais ao menos até o dia 18.

Escolas da rede pública e privada poderão voltar a receber os alunos a partir da semana que vem, o que não acontecia desde o dia 15 de março, quando a fase emergencial foi instaurada.

Leia também

Secretário de Educação do Estado de São Paulo, Rossieli Soares, explicou que as regras da fase vermelha continuam valendo, como o comparecimento máximo de 35% dos alunos matriculados por dia. Nos dias 12 e 13, as escolas públicas deverão fazer uma espécie de orientação com as famílias, para que no dia 14 de abril, quarta-feira, reabram os portões para os estudantes.

“Educação é prioridade, precisa ser tratada assim. A sociedade em São Paulo precisa ter clareza de que o que estamos perdendo não será recuperável como as pessoas pensam. Está na hora de nossas crianças terem acesso àeducação como direito maior”, justificou Rossieli.

O governo paulista, porém, explicou que o retorno das escolas, tanto na rede pública quanto na particular, depende de autorização de cada prefeitura.

Entenda a fase vermelha

São Paulo passará para a fase vermelha do Plano SP, com menos restrições do que na fase emergencial, em vigor até dia 11 de abril. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (9) pelo vice-governador, Rodrigo Garcia. A nova fase entra em vigor na próxima segunda-feira (12).

Segundo Garcia, a decisão se deve a três motivos principais:

  • Vacinação

  • Aumento do número de leitos

  • Queda no número de internações

Flexibilização aconteceu apesar do alto número de mortes no estado (AP Photo/Silvia Izquierdo)
Flexibilização aconteceu apesar do alto número de mortes no estado (AP Photo/Silvia Izquierdo)

O que muda na fase vermelha

O que está permitido

  • Futebol e outros esportes profissionais podem voltar a acontecer após as 20h. É necessários fazer a testagem para a covid-19 e seguir protocolos sanitários mais rígidos. Torcida também não está permitida nos eventos.

  • Retirada de produtor em shoppings e restaurantes está permitida

  • Reabertura de lojas de material de construção

O que continua valendo

  • Restrição de atendimento presencial de todos os serviços não essenciais

  • Toque de recolher entre 20h e 5h

  • Recomendação de escalonamento na entrada e saída de funcionários da indústria, serviços e comércio

  • Obrigatoriedade de teletrabalho para todas as atividades administrativas

  • Proibição de cultos religiosos coletivos

Mais altas que internações

Depois de quase dois meses, o estado de São Paulo teve nesta terça-feira mais altas médicas do que internações nas UTIs. A revelação foi feita pelo coordenador executivo do Cento de Contingência de Combate ao Coronavírus do Governo de São Paulo, João Gabbardo, nas redes sociais.

“Hoje, 06 de abril, aceleração de internações em UTI passou a ser negativa. Significa que o número de novas internações é menor que o de altas. Começa a reduzir a pressão sobre o sistema de saúde. Mas, todo cuidado nos próximos dias é extremamente importante”, escreveu no Twitter.

O próprio Gabbardo compartilhou imagem mostrando que a última vez que o estado havia conseguido alcançar a aceleração negativa de internações em UTI foi em 15 de fevereiro, há exatos 50 dias.

O gráfico utilizado pelo coordenador aponta ainda o decreto da fase vermelha no estado como fundamental para tal acontecimento. De acordo com ele, o início da desaceleração da taxa de crescimento no número de pacientes internados em UTI aconteceu em 20 de março, exatos 14 dias após o início da fase vermelha.