Promotoria finlandesa pede prisão perpétua para autor de ataque em Turku

Helsinque, 20 mar (EFE).- A Promotoria da Finlândia pediu nesta terça-feira prisão perpétua para o suposto jihadista marroquino Abdul Rahman Bouanane, que no dia 18 de agosto do ano passado matou duas mulheres e feriu outras oito pessoas de forma aleatória com uma faca em Turku, no sudoeste do país, informam veículos de imprensa locais.

Segundo o relatório do caso, Bouanane confessou à polícia que o atentado cometido na véspera em Barcelona, no qual 16 pessoas morreram e centenas ficaram feridas, o incentivaram a cometer o ataque após ver como o mundo se solidarizava com as vítimas enquanto, segundo sua opinião, ninguém se importava com o que acontecia na Síria.

A Promotoria acusou Bouanane, de 22 anos, de dois assassinatos e oito tentativas de assassinato com fins terroristas durante a audiência prévia do que é considerado o primeiro julgamento por terrorismo realizado na Finlândia.

O jovem marroquino, que chegou à Finlândia em 2016 para pedir asilo, se declarou autor dos ataques, mas negou motivação terrorista, segundo seu advogado.

O suposto jihadista declarou à polícia que "havia uma pessoa no seu interior que queria matar pessoas e outra que queria impedi-lo", segundo vários veículos de imprensa finlandeses.

No entanto, o relatório psiquiátrico concluiu que Bouanane não sofre nenhum tipo transtorno psíquico e estava plenamente consciente dos seus atos, por isso ele é penalmente responsável pelo ataque.

A polícia suspeita que o agressor perpetrou seu ataque de modo aleatório, mas principalmente contra mulheres, já que os dois únicos homens feridos foram atacados por tentar ajudar as vítimas e conter o agressor.

Os familiares das duas mulheres mortas e dos feridos no atentado solicitarão durante o julgamento o pagamento de uma indenização de 500 mil de euros por danos e prejuízos.

Está previsto que o julgamento comece no próximo dia 9 de abril na prisão de Turku, onde o jovem marroquino está detido. EFE