Fazendeiro preso escondeu 'serial killer do DF' desde o início da semana, diz polícia

·4 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A polícia afirma ter descoberto nesta quinta-feira (24) o local onde Lázaro Barbosa de Sousa, 32, ficou escondido pelo menos desde o início desta semana. A identificação do local foi possível após a prisão de duas pessoas acusadas de ajudar o foragido a escapar do cerco policial.

De acordo com o secretário de Segurança de Goiás, Rodney Miranda, os dois confirmaram que o foragido passou as últimas noites lá.

“Descobrimos o esconderijo dele. [Era] uma casa com aparato de ruínas em volta, onde davam guarida pra ele depois de ele furar alguns cercos que nós fizemos.”

Foram presos o fazendeiro Elmi Caetano Evangelista, 74, e um funcionário da propriedade, Alain Reis de Santana, 33, suspeitos de dar abrigo a Barbosa.

Constituído para cuidar da defesa de Elmi, o advogado Ilvan Barbosa disse à reportagem que seu cliente não teve qualquer contato com o foragido nem ciência de que ele estaria escondido em sua propriedade como afirma a polícia.

“Nenhum contato. Ele não dorme na fazenda. Vai lá para dar comida para bichos”, afirmou o advogado, que pretende pedir liberdade provisória ou domiciliar para o fazendeiro na audiência de custódia que ocorrerá na tarde desta sexta.

Alain é assistido pelo advogado Adenilson dos Santos. Ele afirmou que passou a defender o funcionário da fazenda nesta sexta e que participará da audiência de custódia. “Não o acompanhei quando ele falou à polícia”, disse Santos.

No interrogatório à polícia, Alain disse ter visto o foragido na fazenda e que ele permaneceu no local pelo menos desde o início da semana com a autorização do dono da propriedade, que teria, inclusive, providenciado alimentação para o criminoso.

Afirmou ainda que foi ameaçado de morte pelo foragido e, por essa razão, nada disse sobre a presença dele no local quando policiais estiveram na porteira da propriedade anteriormente.

Com a prisão, a polícia reforça uma linha de apuração sobre a existência de uma rede de proteção ao homem acusado de matar brutalmente uma família no Distrito Federal no início deste mês.

"Temos trabalhado de uma forma um pouco mais cirúrgica, em cima de informações mais consistentes", disse o secretário de Segurança de Goiás.

Autoridades afirmaram que há outras pessoas nas cercanias de Girassol, distrito de Cocalzinho de Goiás (GO), sob investigação por contribuir para que Barbosa escape da polícia. Nesta sexta (25), a perseguição chegou ao 17º dia.

Coordenador da força-tarefa que mobiliza centenas de agentes, Miranda disse que a apuração busca esclarecer também se há participação das pessoas investigadas em crimes cometidos pelo foragido desde que ele fugiu de um presídio em Goiás em 2018.

O secretário afirmou que são pelo menos sete crimes, a maioria latrocínios (matar para roubar) ou homicídios, ocorrências anteriores à chacina em Ceilândia, cidade satélite do DF.

Barbosa é acusado de ter assassinado um casal e dois filhos ao invadir uma chácara para roubar no dia 9 de junho. Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, Gustavo Vidal, 21, e Carlos Eduardo Vidal, 15, foram assassinados no local. Os corpos estavam sob folhas para que não fossem vistos pelas buscas aéreas da polícia.

Cleonice Andrade, 43, foi levada como refém e seu corpo foi localizado três dias depois às margens de um córrego, sem roupas. De acordo com a polícia, a vítima foi executada com tiro na nuca.

Desde então, relatos apontam que ele invadiu outras propriedades no DF e em Goiás, baleou moradores de uma chácara, fez reféns em outra. Trocou tiros com um funcionário de uma fazenda, roubou armas e veículos.

Além do quádruplo latrocínio (matar para roubar) em Ceilândia, é atribuída a ele uma tentativa do mesmo tipo penal em 2020, ao invadir uma chácara em Goiás para roubar e atingir um idoso com um machado.

O fugitivo possui condenação por duplo homicídio na Bahia. É considerado foragido da Justiça também por crimes de estupro, roubo à mão armada e porte ilegal de arma de fogo, acusação que à cadeia em 2013 no DF.

Após três anos, progrediu para o regime semiaberto e fugiu da cadeia. De acordo com informação da Secretaria de Administração Penitenciária do DF, ele não retornou ao sistema após uma saída temporária.

Em 2018, Lázaro foi preso pela polícia de Goiás, mas conseguiu escapar novamente. Desde então, vinha sendo procurado pela polícia.

Existem atualmente contra ele quatro mandados de prisão cadastrados no BNMP (Banco Nacional de Mandados de Prisão), administrado pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos