FBI confirma investigação sobre campanha de Trump e Rússia nas eleições

Washington, 20 mar (EFE).- O diretor do FBI, James Comey, confirmou nesta segunda-feira que o órgão está realizando uma investigação sobre a campanha do agora presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e as possíveis ligações com o governo da Rússia para interferir nos resultados das eleições de novembro.

Em declaração na abertura da primeira audiência pública realizada no Congresso sobre o assunto, Comey disse ter obtido autorização do Departamento de Justiça para confirmar a investigação.

Comey disse aos congressistas que o FBI está questionando a natureza dos vínculos entre a equipe de Trump e o governo russo, e se houve coordenação entre os esforços do Kremlin e a campanha do agora presidente republicano.

O diretor do FBI também disse que o órgão está avaliando se algum crime foi cometido, especialmente em relação aos vazamentos dos e-mails do Comitê Nacional Democrata (DNC) e do chefe da campanha de Hillary Clinton, John Podesta.

Pelo fato de a investigação ser sensível e ainda estar em andamento, Comey não pôde responder muitas perguntas feitas pelos congressistas por questões de segurança. No entanto, ele acertou que o vazamento de certos documentos pode levar a dez anos de prisão.

O democrata de mais alta categoria do comitê, Adam Schiff, disse que ainda não se sabe se os russos tiveram ajuda de cidadãos americanos para influenciar nas eleições, incluindo pessoas associadas com a campanha de Trump.

"Muita gente do pessoal da campanha de Trump, incluindo o próprio presidente, têm vínculos com a Rússia e com os interesses da Rússia, o que, é claro, não é um crime", indicou Schiff.

"Por outro lado, se a campanha de Trump ou qualquer pessoa associada a ela ajudou ou estimulou os russos, não só seria um crime grave, mas representaria uma das traições mais impactantes na história de nossa democracia", ressaltou Schiff. EFE