FDA autoriza o consumo de carne cultivada em laboratório

A Food and Drug Administration dos EUA (FDA) autorizou a produção de carne cultiva em laboratório no país. O órgão de fiscalização sanitária concedeu uma autorização de segurança para o alimento. É a primeira vez que isso ocorre. Esse tipo de produto ainda não está regulamentado no Brasil, mas grandes empresas de venda de carne animal estimam que proteínas cultivadas em laboratório possam estar disponíveis para os brasileiros a partir de 2024.

Erisipela: Entenda a doença que mantém Bolsonaro longe de aparições públicas

Leucoplasia na laringe: Entenda o resultado dos exames de Lula

A autorização de produção foi dada à Upside Foods, uma empresa com sede na Califórnia que produz carne a partir de células de frango cultivadas. Ela poderá começar a vender seus produtos assim que suas instalações forem inspecionadas pelo Departamento de Agricultura dos EUA.

“Os avanços na tecnologia de cultura de células estão permitindo que os desenvolvedores de alimentos usem células animais obtidas de gado, aves e frutos do mar na produção de alimentos, com a expectativa de que esses produtos estejam prontos para o mercado dos Estados Unidos em um futuro próximo”, disse o Dr. Robert M. Califf, comissário de alimentos e medicamentos da FDA, e Susan T. Mayne, diretora do Centro de Segurança Alimentar e Nutrição Aplicada (CFSAN) da FDA, em comunicado.

“O objetivo do FDA é apoiar a inovação em tecnologias de alimentos, mantendo sempre como nossa primeira prioridade a segurança dos alimentos disponíveis para os consumidores dos EUA”, acrescentou o comunicado.

Isabel Salgado: Entenda o que é a síndrome que provocou a morte da atleta

No Twitter, o fundador e CEO da Upside Foods, Uma Valeti, disse que seu frango cultivado “estava um passo mais perto de estar nas mesas de todos os lugares”.

“A UPSIDE recebeu nossa 'Carta sem perguntas' da FDA”, twittou Valeti. “Eles aceitaram nossa conclusão de que nosso frango cultivado é seguro para comer.”

As carnes produzidas em laboratório são feitas a partir de células-tronco de animais. São "carne de verdade", mas que não necessitam de abate animal para consumo. Em entrevista à CNN americana no início de 2022, Valeti chegou a comparar a produção de carne à de cerveja. "Em vez de cultivar fermento ou micróbios, cultivamos células animais", afirmou.

Cingapura foi o primeiro país a permitir a venda de carne cultivada. Em 2020, concedeu à start-up de São Francisco Eat Just Inc. aprovação regulatória para vender seu frango criado em laboratório no país.

Iguais, mas nem tanto: Irmãs entram para o livro dos recordes como as gêmeas idênticas mais diferentes do mundo; vídeo

Os defensores de animais esperam que a carne cultivada reduza a necessidade de abate para alimentação e ajude na crise climática. O sistema alimentar é responsável por cerca de um quarto das emissões globais de gases de efeito estufa, a maioria dos quais provenientes da pecuária.

Embora não seja tecnicamente uma aprovação, a FDA disse que um processo completo de consulta pré-comercialização foi concluído. A liberação se aplica apenas a alimentos feitos de células de frango cultivadas pela Upside, mas a declaração disse que a FDA “está pronta para trabalhar com outras empresas que desenvolvem alimentos com células animais cultivadas”.