Febre Amarela: 44 das 64 cidades prioritárias têm vacina para imunização total

Flávia Villela - Repórter da Agência Brasil

Dos 64 municípios prioritários para a imunização contra a febre amarela no estado do Rio de Janeiro, 44 têm disponibilizadas doses de vacina para imunizar toda a população, informou hoje (31), a Secretaria de Estado do Rio de Janeiro (SES). A lista de municípios prioritários é feita com base na avaliação constante do cenário epidemiológico do Rio e dos estados vizinhos Minas Gerais e Espírito Santo. O secretário estadual de Saúde, Luiz Antonio Teixeira Jr., explicou que o foco agora são as regiões mais vulneráveis, mas que a meta da pasta é imunizar a população dos 92 municípios fluminenses até o fim do ano, observando as contraindicações - cerca de 12 milhões pessoas.

A meta da Secretaria de Saúde do Rio é imunizar a população dos 92 municípios fluminenses até o fim do anoFlavia Villela/Agência Brasil

“É importante que, fora das cidades prioritárias, seja priorizada a imunização das pessoas que planejam viajar para áreas consideradas de risco, uma vez que estamos contando com o Ministério da Saúde para atendimento da demanda do Rio de Janeiro, visando a imunização de toda a nossa população até o fim deste ano, de forma gradativa”, disse o secretário.

Até o momento, nove casos da doença foram registrados no estado. A estimativa da secretaria é que sejam necessárias entre 8 milhões e 9 milhões de novas doses, além das mais de 3,6 milhões disponibilizadas para as 92 prefeituras do estado.

Entre os 64 municípios prioritários, 44 tem disponibilidade de vacinas em quantidade suficiente para imunização de seus habitantes: Aperibé, Areal, Bom Jardim, Bom Jesus do Itabapoana, Cachoeiras do Macacu, Cambuci, Cantagalo, Carapebus, Cardoso Moreira, Carmo, Casimiro de Abreu, Comendador Levy Gasparian, Conceição de Macabu, Cordeiro, Duas Barras, Engenheiro Paulo de Frontin, Guapimirim, Italva, Itaocara, Itatiaia, Laje do Muriaé, Macuco, Miguel Pereira, Miracema, Natividade, Paty do Alferes, Porciúncula, Quatis, Quissamã, Rio Bonito, Rio das Flores, Rio das Ostras, Santa Maria Madalena, Santo Antônio de Pádua, São Fidélis, São João da Barra, São José de Ubá, São José do Vale do Rio Preto, São Sebastião do Alto, Sapucaia, Silva Jardim, Sumidouro, Trajano de Moraes e Varre-Sai.

Aos todos 20 municípios são considerados prioritários, mas ainda não tem o número de doses suficientes para a imunização total de suas populações: Araruama, Armação dos Buzios, Arraial do Cabo, Cabo Frio, Campos dos Goytacazes, Iguaba Grande, Itaperuna, Macaé, Magé, Nova Friburgo, Paraíba do Sul, Petrópolis, Resende, SãoFranciscode Itabapoana, São Pedro da Aldeia, Saquarema, Tanguá, Teresópolis, Três Rios e Valença.

O subsecretário de Vigilância em Saúde da secretaria, Alexandre Chieppe, explicou que, com base nos pedidos de reposição enviados pelas prefeituras, a estimativa é que 80% da quantidade já disponibilizada foi utilizada pelas secretarias municipais de Saúde. “No Rio, nossa estratégia está sendo definida com base na avaliação constante do cenário epidemiológico e vulnerabilidade dos municípios, priorizando áreas rurais e de matas, uma vez que o vetor que transmite a doença é o silvestre”, disse.

Para dar apoio aos municípios prioritários, a secretaria firmou parceria com o Corpo de Bombeiros e com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) para que os agentes de saúde municipais atuem em parceria nas zonas rurais mais distantes e áreas de difícil acesso. Em Casimiro de Abreu, município onde foram confirmados os primeiros casos, um hospital de campanha foi montado e imunizou mais de 6 mil pessoas em 48 horas.