Federação Alemã considera apresentar recurso contra a Fifa por proibir braçadeira LGBTQIA+

A Federação Alemã de Futebol (DFB) informou nesta terça-feira (22) que considera apelar contra a proibição da Fifa de usar as braçadeiras "One love" em apoio à comunidade LGBTQIA+ durante as partidas da Copa do Mundo do Catar-2022.

"A Fifa nos proibiu (de mostrar) um sinal de diversidade e direitos humanos. Fez ameaças maciças de sanções esportivas", disse o porta-voz da organização alemã à SID, a agência esportiva alemã e afiliada da AFP.

De acordo com o jornal alemão Bild, a DFB pode entrar com um recurso no Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), com sede em Lausanne, contra a proibição da Fifa.

Em entrevista ao Bild nesta terça-feira, a ministra do Interior alemã, também responsável pelos Esportes, lamentou "um grande erro da Fifa".

"Parte o coração de cada torcedor ver como a Fifa também coloca esse conflito nas costas dos jogadores", acrescentou.

O TAS, que se dedica à resolução de disputas no campo do esporte, indicou à AFP "não ter recebido nada" até o momento.

"Em princípio, o caso deve primeiro ser encaminhado à Comissão de Apelações da Fifa. A base está no artigo 57 do Estatuto da Fifa. Não há precedente no TAS para esse tipo de recusa de autorização", disse um porta-voz do TAS.

A Fifa alertou, segundo várias federações nacionais, que se os capitães usassem a braçadeira 'One love' receberiam um cartão amarelo no início da partida.

Diante desses alertas, Inglaterra, Alemanha e outras cinco seleções europeias desistiram de usar as braçadeiras inspiradas na bandeira do arco-íris, símbolo das comunidades LGBTQIA+.

A marca de supermercados REWE, uma das maiores da Alemanha, renunciou à sua colaboração com a Federação Alemã de Futebol ao denunciar, nesta terça-feira, a proibição da Fifa de usar as braçadeiras "One love".

"Após (...) a decisão da Fifa sobre as braçadeiras 'One Love', a REWE encerra sua cooperação com a DFB (Federação Alemã de Futebol)", anunciou o grupo alemão em comunicado.

A empresa já havia manifestado em outubro o desejo de não prorrogar o contrato como "parceiro alimentar oficial" da Federação, que mantém desde 2008. No entanto, essa decisão seria aplicada após a Copa do Mundo de 2022.

Agora, a REWE afirmou "ser obrigada a se distanciar claramente da Fifa e a renunciar a seus direitos de publicidade, especialmente no contexto da Copa do Mundo".

A decisão da Fifa gerou uma onda de críticas na Alemanha.

"Estamos convencidos de que o esporte deve ser aberto a todos", afirmou Oliver Brüggen, porta-voz do grupo de roupas esportivas Adidas, à agência de notícias especializada Sid nesta terça-feira.

"Apoiamos os nossos jogadores e equipes no seu compromisso", acrescentou Brüggen.

Por sua vez, o ex-jogador de futebol alemão Michael Ballack ficou "decepcionado" com a decisão e observou que esperava "mais caráter" da federação de seu país.

O Catar, primeiro país do Oriente Médio a sediar a Copa do Mundo, garantiu que todos os torcedores serão bem-vindos sem discriminação, embora a lei do país penalize a homossexualidade.

clp/smk/cpb/rsc/iga/aa