Feirão Serasa Limpa Nome já tem mais de um milhão de acordos

RIO - O Feirão Serasa Limpa Nome já atingiu mais de um milhão de acordos feitos através da plataforma desde o dia 4 de novembro — 259% acima do resultado total do ano passado. O Feirão Serasa vai até o próximo dia 1° de dezembroe os descontos podem chegar até 98% no abatimento da dívida. Segundo a empresa, mais de 2 bilhões de reais foram dados em descontos.

O consumidores podem negociar pela internet dívidas com as empresas parceiras pelo site do Serasa Limpa Nome e pelo aplicativo do Serasa Consumidor. São elas: Santander, Itaú, Recovery, Ativos, Net, Claro, Embatel, Anhaguera, Credsystem, Ipanema, Unopar, Sky, Nextel, Banco BMG, Digio, Hoepers, Porto Seguro, Tricard, Oi, Zema, Unic, Fama, Pitágoras, Uniderp e Unime.

Para os consumidores que não possuem acesso à internet, as agências da Serasa localizadas nas cidades de Porto Alegre, Curitiba, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Campo Grande, Salvador, Fortaleza, São Luís, Goiânia, Manaus, Bauru, João Pessoa, Porto Velho, Natal, Cuiabá, Recife, Londrina, São José do Rio Preto, Belém, Florianópolis e Vitória, estarão preparadas para receber consumidores e auxiliar nas negociações dentro do Serasa Limpa Nome.Para o gerente do Serasa Limpa Nome, Lucas Lopes, os números das duas primeiras semanas do evento comprovam o interesse do consumidor em negociar suas dívidas: " Até o final do Feirão esperamos dobrar o número atual de acordos, e ajudar ainda mais brasileiros a terminarem o ano no azul. Melhoramos a experiência presencial e online, incluímos mais parceiros e ofertas, e melhoramos o percentual de desconto médio oferecido. Todos os feedbacks que recebemos foram devidamente ouvidos e ajustados este evento, fazendo dele, em apenas duas semanas, a maior edição de todos os tempos”.

Dados de inadimplência

Segundo estudo desenvolvido pela Serasa Experian, em setembro de 2019, o número de consumidores inadimplentes no país chegou a 63.2 milhões, 3.7% a mais do que em setembro de 2018. O montante alcançado pelas dívidas até setembro de 2019 foi de R$ 252 bilhões, com o valor médio de R$ 3.997,00. A maior concentração dos negativados tem entre 26 e 40 anos (38,3% do total). Em segundo no ranking de participação entre os inadimplentes estão pessoas de 41 e 60 anos, que correspondem por 34,5% do total.

A maioria das dívidas é de bancos e de cartão de crédito, totalizando 28% do total. Contas básicas como energia elétrica, água e gás, responderam por 19% do total de débitos em atraso. O setor de telefonia alcançou 11% do montante. Já o setor de varejo respondeu por 12,7% da inadimplência.O estudo também mostra que, em setembro de 2019, a região com maior percentual de inadimplentes do país era a Sudeste, com 45,2% do total, seguida pela região Nordeste, com 24,7%. O Sul ficou em terceiro, com 12,9% dos negativados. A região Norte registrou 9,2%, seguido da região Centro-Oeste, com 8,1%.