Felicio Ramuth descarta por ora palanque em SP com Lula ou Bolsonaro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O pré-candidato ao Governo de São Paulo Felicio Ramuth (PSD) diz que ainda não se sente atraído a apoiar o presidente Jair Bolsonaro (PL) nem o pré-candidato Lula (PT) na eleição para o Palácio do Planalto.

O ex-prefeito de São José dos Campos (SP) afirma que aguarda a definição de um nome da terceira via e que, para ele, o candidato ideal por esse campo seria o tucano Eduardo Leite (PSDB). As falas foram feitas durante uma sabatina realizada por Folha de S.Paulo e UOL nesta segunda-feira (2).

"Não me atrai qualquer apoio já a Lula ou a Bolsonaro", afirmou o pré-candidato ao ser questionado sobre eventuais palanques para o seu pleito ao Palácio dos Bandeirantes. "Aguardo a possibilidade de escolher meu candidato. Primeiro turno é escolha. Segundo turno é opção."

Segundo ele, o seu partido —que não emplacou candidato à Presidência neste ano— deve liberar os diretórios estaduais para apoiarem candidatos de sua preferência.

Ramuth também criticou o atual presidente da República, em quem ele votou no segundo turno do pleito de 2018.

"Bolsonaro me decepcionou. Não se mostrou nem preparado para desconstruir aquilo que eu via que seria necessário. Para construir, então, pior ainda. Falta de habilidade política, falta de reconhecimento de que existem bons políticos para se aproximar deles e fazer acontecer o que tinha projetado para sua gestão", disse o ex-prefeito. "Colocou todo mundo no mesmo barco, dizendo que todos os políticos são maus políticos, e no final se aproxima do que há de pior, que é o centrão fisiológico."

Ramuth se diz otimista com a candidatura, apesar do baixo índice de intenção de votos nas pesquisas. Ele registrou 2% na última pesquisa feita pelo Datafolha, em abril. O percentual é o mesmo obtido pelo pré-candidato Viniciuis Poit (Novo). Os dois empatam no limite da margem de erro com Rodrigo Garcia (PSDB), que tinha 6%, com o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub (PMB) e com o metroviário Altino Junior (PSTU), com 1%.

"É a eleição para o Governo de SP mais aberta nos 20 anos", aponta o pré-candidato. "A eleição está aberta para aquele candidato que conseguir fazer um bom trabalho na pré-campanha. "Não estamos preocupados nesse momento com percentual."

O ex-prefeito também afirmou não concordar com a decisão de Geraldo Alckmin de deixar o PSDB e se filiar ao PSB, legenda pela qual deverá ser vice na chapa de Lula. "Foi um movimento incoerente", avalia Ramuth, que votou em Alckmin no primeiro turno de 2018.

"Entendo quais são os argumentos dele [Alckmin], de que deve haver uma união para tirar o Bolsonaro. Ele está muito animado com essa oportunidade. Continuo com o respeito à história dele, mas não concordo com o seu posicionamento, não o acompanharei", diz.

O pré-candidato se filiou ao PSD depois de deixar o PSDB, partido ao qual pertenceu por duas décadas. Segundo ele, um dos motivos para deixar os tucanos foi a gestão do governo estadual feita pelo ex-governador João Doria, que deixou o cargo para concorrer à Presidência da República.

"O PSDB que tem saído de mim, e não eu do PSDB. O partido não teve a capacidade de se renovar", disse. "As decisões do Palácio dos Bandeirantes estão muito longe das pessoas."

"Tive embates com o Governo de São Paulo, defendia que as cidades tivessem mais autonomia [em decisões referentes à pandemia da Covid-19]. Nunca fui um negacionista. Mas defendia que os municípios, como o meu, soubessem a hora de fazer o fechamento e abertura [de estabelecimentos comerciais]", lembrou.

"A decisão [de sair do partido] não se deu única e exclusivamente por causa do Doria ou pela gestão da pandemia, mas por não ser mais o PSDB que há 23 anos eu me filiei", argumenta. "As minhas críticas são aos caminhos que o PSDB tomou e ao jeito de fazer política e gestão com o comando do governador João Doria. Essa política que foi implantada e eu não concordo, por isso saí."

O ex-governador de SP foi escolhido em convenção interna do partido como o pré-candidato à Presidência da República neste ano. Leite, porém, corre paralelamente ainda com esperança —as chapas só serão definidas oficialmente nas convenções partidárias, que ocorrem em julho.

Para ele, é "irresponsabilidade" um candidato dizer que vai diminuir ou não aumentar tarifas do transporte público. "Existe uma pressão de custos. É uma tarifa cara para quem paga e insuficiente para quem recebe. A gente tem é que enxugar a máquina pública."

"Subsídio é um problema. Aí vem político que diz que não vai aumentar a tarifa, mas aumenta o subsídio. E você, que tá pagando imposto, paga", afirmou.

Ramuth afirma que a Sabesp, empresa de saneamento, não estaria em suas prioridades de concessões no momento. Ele se diz favorável a concessões, mas que "não se deve contar vantagem antes de a coisa acontecer".

"O ex-ministro da Infraestrutura [Tarcísio de Freitas, também pré-candidato ao Governo de SP] já vendeu algumas concessões e a parcerias público privadas como algo que já está acontecendo", afirmou ele.

"Muitas concessões e PPPs já deram resultado. Outras, não. Na administração pública, cada caso deve ser analisado separadamente. E não vende-los como algo já concreto, vendendo essa ilusão para as pessoas", seguiu ele.

O pré-candidato do PSD se diz a favor, em "patrulhamento de rotina", da câmera instalada o uniforme de policiais militares, tecnologia já criticada por outros postulantes no pleito. Em "batalhões especiais", ele defende o uso do equipamento com "protocolos específicos".

A área da segurança pública, para ele, deve receber investimentos e tecnologia como a instalação de 30 mil "câmeras inteligentes" que fazem a leitura automática de placas de carros. Ele também apoia a valorização das forças policiais, "principalmente no salário de entrada".

O paulista avalia que a solução para a cracolândia deve ser feita unido os diferentes atores que já atuam na região, tomada por usuários de drogas no centro da capital paulista.

A entrevista com o ex-prefeito de São José dos Campos foi conduzida pelo apresentador Diego Sarza, pelo colunista do UOL Leonardo Sakamoto e pela jornalista da Folha de S.Paulo Carolina Linhares.

Na terça (3), serão sabatinados os pré-candidatos Abraham Weintraub (PMB) e Elvis Cézar (PDT), às 10h e às 16h, respectivamente. As sabatinas são ao vivo, com 60 minutos de fala.

O ex-governador Márcio França (PSB), que quer concorrer ao Palácio dos Bandeirantes pelo PSB, foi sabatinado na manhã desta segunda (2).

Na conversa, ele reafirmou a sua pré-candidatura caso fracasse um acordo com o PT, e disse ser a favor das câmeras corporais nas roupas dos policiais militares —mas defendeu que os equipamentos sejam ligados só antes de ações com uso de arma, em vez de gravarem imagens ininterruptamente.

*

RAIO-X

FELICIO RAMUTH, 53

​Formado em administração de empresas, estava em seu segundo mandato como prefeito de São José dos Campos (SP). Deixou o cargo em abril para se lançar pré-candidato ao Governo de SP. Também foi secretário de Transportes e de Comunicação no município paulista.

CONFIRA AS DATAS DAS SABATINAS E DOS DEBATES

Sabatinas presidenciais​

2º turno - de 10 a 14/10

Debates presidenciais

2º turno - 13/10, às 10h

Debate com candidatos à Vice-Presidência

1º turno - 29/9, às 10h

Debate com candidatos ao Senado

1º turno - 27/9, às 10h

Sabatinas com pré-candidatos ao Governo de SP

- Abraham Weintraub (PMB) - 3/5 - 10h

- Elvis Cézar (PDT) - 3/5 - 16h

- Rodrigo Garcia (PSDB) - 4/5 - 10h

- Vinicius Poit (Novo) - 4/5 - 16h

- Altino Junior (PSTU) - 5/5 - 10h

- Tarcísio de Freitas (Republicanos) - 6/5 - 10h

- Fernando Haddad (PT) - 6/5 - 16h

- 2º turno - de 17 a 21/10

Sabatinas confirmadas em MG

- Lorene Figueiredo (PSOL) - 9/5 - 10h

- Miguel Corrêa (PDT) - 11/5 - 10h

- Alexandre Kalil (PSD) - 12/5 - 10h

- Carlos Viana (PL) - 13/5 - 10h

- Romeu Zema (Novo) não aceitou o convite

Sabatinas confirmadas no RJ

- Felipe Santa Cruz (PSD) - 16/5 - 10h

- Rodrigo Neves (PDT) 18/5 - 10h

- Antonhy Garotinho (União Brasil) - 18/5 - 16h

- Marcelo Freixo (PSB) - 20/5 - 10h

*Cláudio Castro (PL) ainda não respondeu ao convite

Demais sabatinas

- Semana de 23/5 - BA

- Semana de 30/5 - PR

- Semana de 06/6 - RS

- Semana de 13/6 - PE

- Semana de 20/6 - CE

Debates com candidatos ao Governo de SP

1º turno - 19/9, às 10h

2º turno - 20/10, às 10h ​

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos