Feminicídio na Maré: jovem baleada em baile funk ao tentar proteger irmã continua em estado grave

·1 minuto de leitura

A jovem de 16 anos baleada num baile funk na Vila do João, no Complexo da Maré, no último domingo, continua internada em estado grave no Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. O boletim com o estado de saúde dela foi atualizado na manhã desta terça-feira pela Secretaria Estadual de Saúde. A jovem é irmã de Débora Adelino Conceição, de 20 anos, que morreu depois de ser baleada na cabeça pelo namorado, Patrick Jorge de Assis, de 19 anos, após uma discussão na saída do baile funk. De acordo com a Delegacia de Homicídios, Patrick teria sido morto por traficantes depois de assassinar a jovem.

A Delegacia de Homicídios (DH) investiga o feminicídio contra Débora e o suposto homicídio contra Patrick — segundo a polícia, traficantes da favela teriam o capturado e executado. Ainda não há informações sobre o corpo do homem. Já o corpo de Débora será enterrado nesta terça-feira no Cemitério da Cacuia, às 13h, na Ilha do Governador.

O caso aconteceu após o baile, que teve como atração o rapper Filipe Ret. O casal teria discutido quando Patrick sacou uma pistola e fez os disparos. Nesse momento, a irmã de Débora teria tentado impedir a agressão e acabou sendo baleada.

Nas redes sociais, amigas lamentaram a morte da jovem. "Só de pensar que hoje é a nossa despedida já dói tanto, amiga. Te amo pra sempre, Deh", escreveu uma delas. "Chegou o dia de nos despedir da minha amiga, que dor no peito", publicou outra.

A Polícia Civil afirma que realiza diligências em busca de informações sobre o caso, que testemunhas são ouvidas e que a delegacia aguarda os laudos das perícias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos