Feminicídio: Homem joga carro contra carreta após matar ex-mulher a facadas

Corpo de bombeiros foi chamado para socorrer as vítimas e apagar incêndio dos veículos que se chocaram em caso de feminicídio (Foto: Getty Creative)
Corpo de bombeiros foi chamado para socorrer as vítimas e apagar incêndio dos veículos que se chocaram em caso de feminicídio (Foto: Getty Creative)

Mais um crime de feminicídio aconteceu em Campos Grande (MS) na noite desta sexta-feira (23). Um homem, de 54 anos, desferiu vários goles de facas contra a ex-mulher, que morreu antes mesmo de ser socorrida. O agressor também feriu o próprio filho e a nora grávida.

As informações preliminares da Polícia Militar dão conta que o suspeito foi até a casa da ex-mulher, e que depois de tê-la assassinado, ainda acertou o filho com várias facadas nas costas, além de ter atingido a nora, que está grávida. Eles foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros e levados para o hospital.

Depois de ter cometido os crimes, o homem fugiu de carro em direção a rodovia BR-163, onde jogou o veículo contra uma carreta. Com a colisão, tanto o carro em que o suspeito estava quanto a carreta pegaram fogo. Ele teve diversos ferimentos, foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e encaminhado para um hospital, onde se encontra em estado grave. Segundo apuração do G1, ainda não se sabe se o motorista da carreta também se feriu.

Bombeiros atuaram no combate ao fogo nos veículos e a PRF (Polícia Rodoviária Federal) esteve no local controlando o tráfego da rodovia. O caso será investigado pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM).

Feminicídios

O Brasil ocupa o 5º lugar no ranking mundial de Feminicídio, de acordo com o ACNUDH (Alto Comissariado das Nações Unidas pra os Direitos Humanos). O país só perde para El Salvador, Colômbia, Guatemala e Rússia em número de casos de assassinato de mulheres. Aqui se mata 48 vezes mais mulheres que o Reino Unido, 24 vezes mais que a Dinamarca e 16 vezes mais que o Japão ou Escócia, que são países considerados desenvolvidos.

O Código Penal Brasileiro tipifica o feminicídio como homicídio, reconhecendo o assassinato de uma mulher em função do gênero. O crime prevê pena de seis a 20 anos de reclusão.