Marido esfaqueia a mulher na frente das filhas no RJ

·2 minuto de leitura
Daniel Ribeiro esfaqueou a companheira, Cláudia Elen Gomes da Silva, em Niterói (RJ)
Daniel Ribeiro esfaqueou a companheira, Cláudia Elen Gomes da Silva, em Niterói (RJ)
  • A polícia do Rio de Janeiro procura o suspeito de ter esfaqueado a companheira na frente das filhas

  • Além das duas crianças, outro filho de Claudia, de 7 anos, e a irmã da vítima, de 12, viram o ataque

  • Internada em estado grave, Claudia teve pulmões e tórax perfurados e pode perder a fala

A Polícia Civil do Rio de Janeiro procura Daniel Ribeiro, suspeito de ter esfaqueado a companheira, Cláudia Elen Gomes da Silva, de 23 anos, na última quinta-feira (9), em Niterói. Segundo testemunhas, por volta das 5h, Daniel deu várias facadas em Cláudia enquanto ela dormia ao lado das duas filhas do casal, de 2 e 3 anos. Outro filho de Claudia, de 7 anos, e a irmã da vítima, de 12, também presenciaram o ataque.

Claudia foi socorrida para o Hospital Estadual Azevedo Lima, em Niterói. Os familiares informaram que ela está em coma e que seu estado de saúde é grave. Segundo os médicos, Claudia teve pulmões e tórax perfurados e pode perder a fala.

Leia também

Depois dos ataques, a irmã de Claudia, de 12 anos, conseguiu sair da casa e avisar os vizinhos. Segundo os parentes, a maioria dos golpes foi dada na altura do pescoço e no tórax. As agressões foram registradas na delegacia da região como tentativa de feminicídio.

"Minha filha de 12 anos está em pânico. [Ela disse] 'vi ele enfiando a faca nela várias vezes'. Ninguém dorme, ninguém come. Tá muito difícil", disse a mãe de Claudia, Adriana Rodrigues, à TV Globo.

Além das facadas, a irmã mais velha de Claudia disse em depoimento que acredita que Daniel tinha o plano de incendiar a casa onde a família estava. Segundo ela, uma garrafa de gasolina foi encontrada na cozinha do imóvel.

"O companheiro foi indiciado por tentativa de feminicídio. Já fizemos a representação da prisão dele e a vítima vai ser ouvida quando se recuperar", explicou o delegado Geraldo Assed à TV Globo.

Claudia e Daniel estavam juntos havia seis anos. Contudo, segundo parentes, o comportamento agressivo do homem já tinha sido observado pela mãe da vítima.

"Ele tinha muito ciúme dela. Era aquele ciúme possessivo. Ela não podia falar com amiga, que ele tomava o celular dela. Esse jeito que ele reagia com ela. Eu dizia: 'toma cuidado com ciúme porque ciúme um dia pode acabar com acidente'", lembrou Adriana em entrevista à TV Globo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos