Feminismo e luta pelo voto das mulheres: conheça Bertha Lutz

Bertha Lutz criou a Federação Brasileira para o Progresso Feminino. Foto: Reprodução

A cientista Bertha Lutz simboliza, até hoje, uma das principais vozes do feminismo e da luta por direitos políticos das mulheres no Brasil. Ela nasceu em 1894 em São Paulo e era filha do cientista Adolfo Lutz.

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO INSTAGRAM

Bertha se formou em ciências naturais na Sorbonne, a Universidade de Paris, e se especializou em anfíbios anuros. Em 1919, ela começou a se tornar um grande nome na busca por igualdade de direitos jurídicos entre homens e mulheres.

Ela foi a segunda mulher a entrar no serviço público do Brasil, depois de ser aprovada em um concurso do Museu Nacional, no Rio de Janeiro. Além disso, Bertha fundou a Liga para a Emancipação Intelectual da Mulher.

Leia também:

Ela também representou o Brasil em viagens internacionais. Em 1922, ela foi até a assembleia geral da Liga das Mulheres Eleitoras, nos Estados Unidos. Lá, ela foi eleita vice-presidente da Sociedade Panamericana.

De volta ao Brasil, ela criou a Federação Brasileira para o Progresso Feminino, que lutava pela extensão do direito ao voto às mulheres.

Aliás, ela foi uma líder que pressionava o então presidente Getúlio Vargas para que as mulheres também pudessem votar. Graças à essa pressão, o voto feminino se transformou em um direito em 1932.

Em 1933, ela se formou em direito pela Faculdade do Rio de Janeiro, atual UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Em 1934, ela foi candidata, mas não foi eleita.

Em 1936, no entanto, ela ingressou na Câmara Federal e defendeu a mudança da lei em relação ao trabalho da mulher e dos menores de idade.

Ela propunha, além disso, a igualdade salarial e licença de três meses para grávidas. Bertha também era a favor da redução da jornada de trabalho que, na época, era de 13 horas.

Bertha também foi uma das quatro mulheres que escreveram e assinaram a carta de fundação da ONU (Organização das Nações Unidas) em 1948. Ela morreu no Rio de Janeiro em 1976, aos 82 anos.

Durante duas semanas, o blog irá falar sobre as situações enfrentadas diariamente por mulheres que estão dentro da política e contar um pouco da história de mulheres que marcaram a luta por direitos políticos. A série de matérias especiais começou no último dia 5 e irá até esta sexta-feira (16).