Fenômeno na internet, a professora de ioga on-line Pri Leite dá cinco dicas para começar bem a semana

O Globo
·2 minuto de leitura

A yogini Priscilla Leite, de 34 anos, está de alma lavada. Por meio do canal Pri Leite Yoga e da plataforma de aulas on-line Yoga Co., ela conseguiu diminuir um pouco a ansiedade de milhares de pessoas afetadas pela pandemia da Covid-19. Em 2020, o canal saltou de 310 mil para 848 mil inscritos, com vídeos que colecionam mais de 29 milhões de visualizações. A professora, que ficou, em novembro, entre as dez finalistas na categoria fitness do prêmio Influency.me, considerado o Oscar da influência digital, colhe o que plantou. “Desde 2018, fiz das aulas on-line o meu trabalho”, conta.

Ela lista cinco dicas para começar bem a semana: "Aposte na postura da criança para desacelerar e relaxar; experimente fazer uma aula focada na respiração consciente, é por meio dela que mantemos nosso sistema nervoso saudável; conecte-se com o momento presente; desligue da tomada por um tempinho praticando ioga; comece o programa 21 dias de ioga para leveza, é importante fazer da atividade um hábito de vida."

De Maracaju, uma pequena cidade do Mato Grosso do Sul, Priscilla é formada em Ciências Sociais e mora em Los Angeles desde 2010, quando “mudou e casou”. Lá, fez cursos de formação de ioga e começou a ministrar a prática em estúdios. Até que um trabalho transformou o curso dos acontecimentos. “Fui contratada por uma empresa americana para dar aulas on-line, em inglês. Minha família e amigos do Brasil sempre pediam para eu gravar vídeos em português. Comecei sem pretensão”, lembra a yogini, que criou o canal em 2014. Depois do nascimento do filho, Oliver, em 2018, ela decidiu focar 100% no digital.

O objetivo de Priscilla, que entrou 2021 anunciando a segunda gravidez, é tornar a ioga cada vez mais acessível. No canal, as aulas são gratuitas e recebem nomes como “yoga para leveza”, “yoga para concentração” e “yoga na cadeira” (ideal para o home office). Há práticas de 20 minutos, que cabem na rotina de todos. Já a plataforma Yoga Co., lançada no ano passado, é paga. “Ioga não é só malabarismo. O mais importante, ainda mais agora, é respirar e se conectar com o tempo presente.”