Feriado tem pouco movimento na orla do Rio mesmo após decisão de juíza de suspender decretos de Paes

Marjoriê Cristine e Hermes de Paula
·1 minuto de leitura

O feriado de Tiradentes nesta quarta-feira, dia 21, foi de pouco movimento na orla da cidade do Rio de Janeiro. Mesmo após a decisão da juíza Regina Lúcia Chuquer, da 6ª Vara de Fazenda Pública, que suspendeu quatro decretos do prefeito Eduardo Paes com medidas retritivas para combater a Covid-19, e que a Procuradoria Geral do Município (PGM) ainda não foi notificada, as faixas de areia das praias estavam vazias.

O tempo instável, após uma madrugada de chuva e ventos fortes em vários bairros, além da ressaca na praia, com ondas de 2,5m a 3,5m de altura, fez com que apenas os surfistas aproveitassem as condições climáticas. Poucas pessoas acompanhavam os esportistas pegando onda, enquanto outras usaram a extensão da faixa de areia para praticar exercícios, assim como no calçadão e na ciclovia. Não houve nem mesmo uma movimentação de barraqueiros e ambulantes na praia.

Por enquanto, o decreto da prefeitura do Rio que proíbe a permanência na areia para banho de sol e também o banho de mar segue proibida, assim como o estacionamento na orla segue em vigor. A PGM informou que, uma vez confirmado o teor da decisão da juíza Regina Chuquer, vai recorrer imediatamente da decisão, que suspendeu os decretos 48.604, 48.641, 48.644 e 48.706.

Além da proibição do banho de sol e de mar nas praias, as regras impostas pela prefeitura ainda proíbem a permanência em via pública das 23h às 5h da manhã, o funcionamento de bares e restaurantes até 22h e veda a abertura de boates e casas de espetáculo, incluindo rodas de samba, para evitar aglomerações e um contágio maior da doença.