Feridos em explosão em Parada LGBTI+ na Região dos Lagos seguem internados

Os três feridos na 17ª Parada LGBTI+ em Cabo Frio, na Região dos Lagos, neste domingo, após a explosão de um cilindro de gás hélio seguem internados. De acordo com a prefeitura, Marlon Wagner Guimarães, de 20 anos, teve 55% do corpo queimado e foi transferido nesta segunda-feira para o Hospital Estadual Vereador Melquiades Calazans, em Nilópolis, na Baixada Fluminense. A unidade é especializada no tratamento de queimados. A Secretaria estadual de Saúde, porém, não confirma que o paciente tenha dado entrada lá.

Caso Flordelis: Pastora chora ao ver parentes no tribunal para julgamento

Em vídeo na cadeia: Flordelis acusa pastor Anderson de abusos sexuais e agressões; relatos serão levados ao júri

No domingo, Rodolpho Alves Campbell Siqueira, de 34 anos, foi transferido para a unidade com queimaduras de 2º grau, em torno de 45% da superfície corporal. De acordo com a Secretaria de Saúde do estado, o estado de saúde dele é estável.

Baixada Fluminense: Dois PMs morrem em operação policial no Complexo da Mangueirinha

A terceira vítima da explosão, John Lennon de Souza, 30 anos, sofreu queimaduras superficiais e não vai precisar de transferência. Ele segue em Cabo Frio, internado no Hospital Municipal São José Operário.

De acordo com a previsão dos médicos da prefeitura de Cabo Frio, o tratamento hospitalar dos feridos deve durar cerca de 20 a 30 dias, com acompanhamento e curativo. Nenhum dos três corre risco de vida.