Fernando Diniz sinaliza positivamente para renovar com o Fluminense, mas aguarda eleição do clube

Tudo indica que Fernando Diniz será o técnico do Fluminense em 2023 — e pelos próximos dois anos, se completo o tempo de contrato proposto para o treinador. No entanto, a assinatura só não ocorreu ainda porque a eleição presidencial tricolor, marcada para o próximo dia 26, ainda não aconteceu.

Fernando Diniz já sinalizou positivamente ao presidente Mário Bittencourt sobre a sua permanência, mas sempre deixou claro internamente e em entrevistas coletivas que "a eleição presidencial é importante". Caso Mário seja reeleito, dificilmente o treinador deixará as Laranjeiras. Caso não, o cenário muda um pouco de figura.

— É uma tendência, temos uma conexão importante. Temos uma eleição pela frente, é uma das coisas que a gente fica... É uma coisa importante para mim a eleição — afirmou Diniz após a partida contra o Goiás, pelo Brasileiro.

Publicamente, Diniz não se pronuncia ou dá detalhes sobre o assunto. O GLOBO apurou, no entanto, que ainda há um desconforto quanto ao apoio de Celso Barros, ex-presidente da Unimed e vice-presidente geral, às chapas de oposição. Em 2019, o dirigente e o treinador trocaram farpas após a sua saída na primeira passagem pelo clube. Ainda há rusgas nesta relação.

A informação foi divulgada inicialmente pelo canal 'Raíz Tricolor'. Diniz não se oporia a sentar para conversar com qualquer candidato de oposição, mas se sente mais confortável se a situação for mantida. Isso vale para o presidente Mário Bittencourt e o diretor de futebol Paulo Angioni, nomes de confiança do treinador.

Neste momento, há dois pré-candidatos de oposição ao pleito: Marcelo Souto e Rafael Rolim. Souto já afirmou que Diniz será seu treinador se vencer. Rolim ainda não se manifestou sobre o assunto. Ademar Arrais, que retirou a pré-candidatura recentemente, também defendeu a permanência.

Fernando Diniz tem contrato com o Fluminense até dezembro de 2022.