Festa com 2 mil pessoas é interrompida no mesmo dia de recorde em fila para UTI no RJ

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Duas mil pessoas participavam da rave (Foto: Divulgação/Secretaria Municipal de Ordem Pública)
Duas mil pessoas participavam da rave (Foto: Divulgação/Secretaria Municipal de Ordem Pública)

Uma festa com duas mil pessoas em pleno pico da pandemia no Brasil foi interrompida na noite do último domingo em Vargem Pequena, Zona Oeste do Rio de Janeiro. O caso aconteceu no mesmo dia em que o estado bateu recorde de casos de pacientes com Covid-19 na fila de espera para leitos de UTI, com 710.

A ação foi efetuada por funcionários da Secretaria Municipal da Ordem Pública. De acordo com o órgão, foi recebida uma denúncia sobre a rave em uma pousada, e o setor de inteligência comprovou a infração.

Leia também:

O responsável pela festa não foi identificado e a autuação foi feita em nome do estabelecimento. Também não foi informado se haverá alguma punição pelo delito.

O Rio de Janeiro adotou esquema de antecipação de feriados para tentar inibir a proliferação da Covid-19, mas o que se viu nos primeiros dias dessa medida foi uma série de festas clandestinas e desrespeito às normas.

Além da rave em Vargem Pequena, uma festa com 300 pessoas foi interditada em um sítio na Taquara, na Zona Oeste. As orlas de diversas praias também foram tomadas de banhistas, apesar da proibição pela prefeitura.

Colapso na saúde

Enquanto festas clandestinas são realizadas, o estado sofre com o colapso na saúde e a ausência de leitos disponíveis para combate ao coronavírus. De sábado para domingo, 32 novos pacientes entraram na fila por um lugar nas UTIs dos hospitais do estado.

Rio tem sofrido com a falta de leitos na UTI (Gustavo Basso/NurPhoto via Getty Images)
Rio tem sofrido com a falta de leitos na UTI (Gustavo Basso/NurPhoto via Getty Images)

De acordo com a Secretaria de Saúde do estado, 92,4% dos leitos de cuidados intensivos estão ocupados no estado, sendo que na capital este número é de 92%. Ao todo, 13 cidades operam com capacidade máxima ou até acima da capacidade.