Festival de arte em Jundiaí é cancelado por conta de atração LGBT

Ruan de Sousa Gabriel

SÃO PAULO – O Rúcula Festival de Artes, que seria realizado em Jundiaí, no interior paulista, nos dias 23 e 24 de novembro, foi cancelado após o Paulista Futebol Clube se negar a ceder as dependências de seu estádio por conta de uma atração LGBT na programação. O Rúcula contaria com 10 DJs, apresentações teatrais e circenses, exibição de filmes e feira.

Entre as atrações também estava a intervenção “Baile das Gayrotas”, que pretendia “democratizar e desmistificar a arte drag” disponibilizando “plumas, perucas, glitter, bigodes e chapéus” para criar “um espaço aberto para a montação”. Segundo nota divulgada pela organização do festival, o clube "manifestou desconforto com relação a uma de nossas atrações, de orientação LGBT, condicionando a cessão do estádio, firmada em contrato, à retirada dos artistas em questão”.

O Festival se negou alterar a programação. Em vez disso, reiterou sua preocupação com a diversidade e prometeu reembolsar todos o que já haviam comprado ingressos. Os organizadores prometem realizá-lo em outro lugar e outra data.

Em nota, o Paulista Futebol Clube afirmou que havia acordado com a organização do festival que não seriam levantadas quaisquer “bandeiras”, fossem elas políticas, religiosas, de raça ou gênero “em função de uma limitação existente no estatuto social” do clube, que proíbe tais manifestações. “Temos conhecimento das manifestações contrárias a essa decisão, que respeitamos, assim como manifestações nosso irrestrito apoio a todas as opções culturais e comportamentais, sem exceção. O que é importante é que o clube se limita a cumprir com o que está devidamente registrado em seu estatuto”, afirma a nota.

Ao GLOBO, a assessoria de imprensa do Rúcula afirmou que a organização do festival havia se comprometido apenas em não levantar bandeiras político-partidárias e religiosas. E acrescentou que os representantes do clube nunca viram uma apresentação do "Baile das Gayrotas" – teriam tomado a decisão baseados apenas no nome.

O GLOBO não conseguiu contato com o clube os responsáveis pela intervenção "Baile das Gayrotas". A assessoria do Rúcula informou que eles preferem não se expor por medo de represálias.

Leia na íntegra a nota do Rúcula Festival de Artes

O Rúcula - Festival de Artes não mais acontecerá no Estádio Dr. Jayme Cintra. A organização do evento, em respeito à confiança depositada por seu público, artistas e fornecedores, esclarece:

Após a divulgação da programação do evento, o Paulista Futebol Clube manifestou desconforto com relação a uma de nossas atrações, de orientação LGBT, condicionando a cessão do estádio, firmada em contrato, à retirada dos artistas em questão do festival.

O fato de o evento contar com aproximadamente trinta atrações, de diferentes gêneros, linguagens, estilos musicais e raças, significa para o Rúcula uma preocupação com a representatividade. O clube alega, no entanto, que o festival “levanta bandeiras”.

Reiteramos que esse festival preza de forma absoluta e inquestionável pela pluralidade e multiplicidade, discordando dessa postura. Assim, em respeito aos artistas, público e demais envolvidos, o Rúcula se nega a acatar esta interferência em nossa curadoria, ainda que isso custe-nos a não cessão do uso do estádio.

Faremos um festival ainda mais bonito, mais plural e mais divertido. Mais informações em breve.

O evento dos dias 23 e 24 de novembro, porém, está cancelado. Contamos com o apoio de todos aqueles que compreendem a importância de uma sociedade mais tolerante e plural. Cultura e arte servem para semear estes valores.

Leia na íntegra a nota do Paulista Futebol Clube

Sobre o cancelamento do evento “Rúcula - Festival de Artes” no Estádio Dr. Jayme Cintra, o Paulista Futebol Clube vem a público para esclarecer sobre alguns pontos. Na primeira reunião realizada com os representantes e idealizadores do evento ora em pauta, fora solicitado que não houvesse nenhum tipo de exibição que levantasse bandeiras, quer elas fossem no âmbitos religiosos, políticos, raças e gêneros, isso tudo em função de uma limitação existente no estatuto social na qual não é permitido tal manifestação.

E essa solicitação foi acatada em reunião. Porém, para a nossa surpresa, a organização do evento decidiu quebrar o acordo - que foi feito em reunião, com várias pessoas presentes, violando assim, a única solicitação feita pelo clube.

É importante ressaltar que o Paulista Futebol clube cederia sem ônus o estádio Dr. Jayme Cintra para a organização do evento, ou seja, sem custo para os organizadores.

O Paulista FC é uma instituição esportiva e, mesmo com tantas outras tendo negado receber o evento em nossa cidade, nós abrimos as portas do estádio para a organização, apenas colocando algumas condições, respeitando o nosso estatuto.

Lamentamos o não cumprimento das solicitações, ressaltando que o Paulista Futebol Clube está disposição para todos que queiram realizar eventos, porém desde que se submetam as condições impostas pelo clube. Temos conhecimento das manifestações contrárias a essa decisão, que respeitamos, assim como manifestamos nosso irrestrito apoio a todas as opções culturais e comportamentais, sem exceção. O que é importante ressaltar é que o clube se limita a cumprir com o que está devidamente registrado em seu estatuto. Portanto tudo que aquilo que o contraria não pode ser realizado.

O Paulista Futebol Clube fica a disposição para maiores esclarecimentos, se eximindo de qualquer responsabilidade assumida pela organização do evento.