'Ficou impossível', diz governador da Bahia sobre Carnaval em 2022

·2 min de leitura
***ARQUIVO***SALVADOR, BA, 16.01.2019: Entrevista com o governador da Bahia, Rui Costa (PT). (Foto: Márcio Lima/Folhapress)
***ARQUIVO***SALVADOR, BA, 16.01.2019: Entrevista com o governador da Bahia, Rui Costa (PT). (Foto: Márcio Lima/Folhapress)

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - O governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou nesta quinta-feira (23) que considera impossível a realização do Carnaval de Salvador em 2022 nos moldes tradicionais da festa diante do avanço do número de casos da Covid-19 e dos casos da gripe H3N2 no estado.

"Sabe aquele filme 'Missão Impossível'? Nós estamos na Missão Impossível 3. Então, não será possível fazer esse Carnaval. Não tem a mínima condição", afirmou o governador a jornalistas durante solenidade de entrega de uma nova alaga de um hospital em Salvador.

O governador ainda afirmou que "alguém falar de Carnaval a essa altura do campeonato, está querendo ser irresponsável com a vida do outro". E lembrou que, além das mortes provocadas pela Covid-19, agora o estado passa a ter óbitos pelo Influenza -foram registrados duas mortes em Salvador.

À reportagem, Rui Costa disse que as condições para a realização do Carnaval se deterioraram ao longo do último mês. O número de pacientes em UTI com Síndrome Respiratória Aguda Grave, por exemplo subiu neste período de 190 para 270. Já a quantidade de casos ativos da Covid-19 cresceu de uma média de 2.200 para 3.000.

Na Bahia, cerca de 2 milhões de pessoas deixaram de completar o ciclo vacinal com as duas doses do imunizante contra o coronavírus. Quando acrescidos aqueles que precisam tomar a dose de reforço, o número chega a cerca de 3 milhões de pessoas.

A avanço da gripe H3N2 também pressiona o sistema de saúde, com Unidades de Pronto Atendimento superlotadas tanto em Salvador como em cidades do interior e um aumento da demanda por internação hospitalar na rede pública de saúde.

"Mantidas ou agravadas essas condições, não há a mínima condição de reproduzir o que é o padrão do nosso Carnaval. Infelizmente. A não ser que a gente queira viver uma tragédia de muitas mortes", afirmou.

A organização do Carnaval de Salvador é feita pela prefeitura da capital baiana, que ainda não tomou uma decisão definitiva sobre o assunto. A realização da festa de rua, contudo, demanda serviços que estão no âmbito do governo do estado, caso da Segurança Pública.

Mesmo sem uma decisão, parte dos empresários do setor anunciou que não deve participar da festa. A empresária Flora Gil, que toca o camarote Expresso 2222 ao lado do marido, o cantor Gilberto Gil, disse que um dos mais disputados espaços do Carnaval de Salvador não en trará em operação no ano que vem mesmo se a realização da festa for autorizada pelo poder público.

Outros empresários, por outro lado, devem realizar festas privadas em Salvador no período do Carnaval em espaços como o estádio da Fonte Nova e o Centro de Convenções. O decreto da pandemia em vigor no estado da Bahia permite festas com até 5.000 pessoas, mediante a exigência de comprovação do ciclo completo de vacinação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos