Fila por UTI de Covid-19 volta a crescer no Rio após oito dias de queda

Felipe Grinberg
·2 minuto de leitura

RIO — Após oito dias seguidos de diminuição da fila por um leito de UTI para tratar a Covid-19 no Rio, a quantidade de pacientes que aguardam por uma vaga voltou a subir. Nesta sexta-feira, 307 pessoas estão em emergências do estado aguardando uma transferência para um CTI. Se somados com os pacientes que esperam por uma vaga de enfermaria, o número chega a 395 pessoas.

Apesar da redução na pressão do sistema de saúde nos últimos dias, apenas duas das nove regiões de saúde do Rio apresentam taxa de ocupação menor que 80%. Cinco delas estão com 90% ou mais das vagas de terapia intensiva ocupadas. Segundo a secretaria estadual de Saúde, a taxa de ocupação para os leitos de UTI no Rio está em 88%.

Percentual de ocupação de UTI por região de saúde

Noroeste - 100%Região Metropolitana 1 (capital e Baixada) - 93%Baixada Litorânea - 93%Baía da Ilha Grande - 92%Região Serrana - 91%Centro-Sul - 89%Médio Paraíba - 82%Região Metropolitana 2 - 79%Região Norte - 79%

Nesta sexta-feira foram confirmados 287 novos óbitos por coronavírus e mais de de 4,7 novos casos. Depois de 26 dias seguidos de alta, a média móvel de mortes indica um cenário de estabilidade, mas ainda em um patamar alto.

Com os dados desta quarta-feira, a média móvel passa a ser de 3.248 casos e 240 mortes por dia. Em relação há duas semanas atrás, houve um aumento de 5% no número de óbitos , o que indica uma tendência de estabilidade na intensidade do contágio por estar abaixo da marca mínima estipulada de 15%.

Os dados são do consórcio formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo e reúne informações das secretarias estaduais de Saúde divulgadas diariamente até as 20h. A iniciativa dos veículos da mídia foi criada a partir de inconsistências nos dados apresentados pelo Ministério da Saúde.