Filha de ex-espião russo envenenada diz que voltará ao seu país 'no futuro'

Yulia Skripal, envenenada em Salisbury com seu pai, o espião russo Sergei Skripal, conversa com jornalistas em Londres, na Inglaterra, em 23 de maio de 2018

Yulia Skripal, que foi envenenada junto com seu pai, o ex-espião Serguei Skripal, na Grã-Bretanha em março, declarou em um vídeo divulgado nesta quarta-feira (23) que deseja voltar à Rússia, mas antes precisa se recuperar completamente.

"Recebi alta do hospital em 9 de abril, mas continuo em tratamento", explicou Yulia Skripal no vídeo, retransmitido pela televisão estatal russa. "Espero voltar à Rússia no futuro", indicou.

Skripal, de 33 anos, está sob proteção do governo britânico.

Falando em russo, Yulia declarou que não está pronta para receber ajuda da embaixada de seu país. "Quero ajudar meu pai a se restabelecer completamente", declarou.

Serguei e Yulia Skripal foram encontrados inconscientes no banco de um parque, não muito longe da casa do ex-espião na cidade inglesa de Salisbury, em 4 de março.

O envenenamento teria sido provocado por um poderoso agente neurotóxico, que segundo as autoridades britânicas e especialistas independentes, foi criado na Rússia durante o período soviético.

O caso provocou uma grave crise diplomática entre Londres e Moscou.

Yulia Skripal havia viajado da Rússia para a Grã-Bretanha para visitar seu pai, que vive no país desde 2010 quando beneficiou de uma troca de espiões.