Filha de Fernanda Young fala sobre ausência da mãe: 'horrível não tê-la por perto

·1 min de leitura

Originalmente, Estela May, de 21 anos, gostava de se expressar por meio de palavras. Mas logo descobriu que também poderia contar boas histórias com desenhos. Então, veio o estalo: por que não juntar as duas paixões numa mesma página? Resolveu investir o tempo em tiras que tratam de problemas da existência humana. “São pequenos insights da vida em geral”, observa a cartunista paulistana, que lançou recentemente coleção em parceria com a UMA X, linha jovem e sustentável da UMA, de Raquel Davidowicz. “Para mim, moda pode ser arte. Não vejo diferença entre a tela e a camiseta.”

Raquel conheceu o trabalho de Estela pelo jornal “Folha de São Paulo”, que publica a obra da moça desde 2018. “Ela é jovem, mas já tem um traço muito bacana, além de um humor maravilhoso, uma ilustração inteligente”, elogia a estilista.

A relação de Estela com a moda foi iniciada em casa. Filha da atriz, escritora e roteirista Fernanda Young, morta em 2019, a paulistana cresceu vendo a mãe brincar com roupas e acessórios. “Mamãe era mais minimalista, mas conseguiu se transformar rapidamente. Eu me lembro de vê-la linda deitada na cama e virar outra mulher em cinco minutos, ao colocar um batom ou um par de óculos.”

Dia desses, Estela se pegou analisando o tamanho da ausência de Fernanda. “É horrível não tê-la por perto. Comecei a fazer esses desenhos para poder trocar com ela, ter o que mostrar. Mas, de alguma maneira, esse sentimento ainda existe. Minha mãe sempre me inspirou”, diz a jovem, que trancou o curso de Comunicação e Multimeios, na PUC-SP. “Estou decidindo se sou uma pessoa de faculdade.” Essa tem personalidade...

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos