Filha de Rodrigo Constantino diz que ficou abalada com fala do pai e o defende

·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Laura Constantino, filha do escritor Rodrigo Constantino, afirmou em um vídeo que circula desde quarta-feira (4) nas redes sociais que ficou abalada com o comentário do pai sobre o estupro da influenciadora Mariana Ferrer, 23. Apesar disso, ela diz que o conhece e sabe que ele é contra o estupro. "Ter que ler uma coisa assim do meu pai, realmente me abalou muito", afirmou a jovem. "Muita gente que está vendo esse vídeo não concorda com o que ele fala, não gosta dele, mas realmente eu tenho certeza que se uma coisas dessas acontecesse, ele iria ficar do meu lado. Só precisava falar isso." Ela ainda continua: "Ter que ler tanta gente falando que eu tenho um pai a favor do estupro e coisas assim não tem como, porque eu sei que ele não é (...) Eu conheço meu pai e sei que ele tem caráter e é contra o estupro, como qualquer pessoa que tem caráter é. Ter que ler uma coisa dessas mexeu muito comigo." As críticas ao escritor aconteceram após ele comentar o caso da jovem Mariana Ferrer, que diz ter sido vítima de estupro em uma casa noturna de Jurerê Internacional (SC). Em uma transmissão ao vivo, ele afirmou que, se sua filha sofresse um abuso em condições semelhantes, ele não denunciaria o homem e a deixaria de castigo. "Se minha filha chegar em casa, isola [ele bate na madeira]... Mas se a minha filha chegar em casa -- e eu dou boa educação para que isso não aconteça, mas a gente nunca controla tudo --, se ela chegar em casa um dia dizendo: 'Pai, fui para uma festinha, ah, fui estuprada'. [Eu perguntaria]: 'Me dá as circunstâncias'. 'Ah, fui para uma festinha, eu e três amigas, tinha 18 homens, nós bebemos muito e eu estava ficando com dois caras, e eu acabei dormindo lá e eu fui abusada'." "Ela vai ficar de castigo feio e eu não vou denunciar um cara desses para a polícia", disse. "É um comportamento absolutamente condenável. Só que a gente não pode mais falar essas coisas hoje em dia. Que existe mulher decente também ou piranha. Porque eu acabei de falar que o homem que faz uma coisa dessas não é decente, mas não existe também a ideia de mulher decente? As feministas querem que não. Por quê? Porque feminista é tudo recalcada, ressentida e normalmente mocreia, vadia, odeia homem, odeia união estável, casamento... odeia tudo isso." A fala do comentarista gerou revolta na internet e levou a Jovem Pan a demiti-lo. A rádio afirmou que preza pela liberdade de expressão, mas "desaprova veementemente todo o conteúdo publicado nos canais pessoais e apresentado nessa live". "No caso de Mariana Ferrer, defendemos que a vítima não deve ser responsabilizada pelos atos de seu agressor, apesar do respeito que todos nós devemos ter às decisões judiciais", diz o texto. REPERCUSSÃO A cantora Anitta, 27, foi um dos famosos que chegou a comentar a fala de Rodrigo Constantino. "Coitada da sua filha", escreveu a cantora no perfil de Constantino no Instagram. "E de você, que nunca vai saber quem são seus filhos de verdade porque nunca que vão compartilhar a vida deles com um ser vivo desses..." Outros famosos também comentaram o caso Mari Ferrer nos últimos dias. Elba Ramalho afirmou, em uma live, que se o "rapaz fosse negro e pobre, dificilmente não seria condenado. Mas o rapaz é rico, bonito, e foi absolvido", se referindo ao acusado pelo estupro da jovem, o empresário André de Camargo Aranha. Como foi revelado pelo site The Intercept, o juiz do caso concluiu que "não há provas contundentes nos autos a corroborar a versão acusatória". A sentença reconhece que "há provas da materialidade e da autoria, pois o laudo pericial confirmou a prática de conjunção carnal e ruptura himenal recente". "'Estupro culposo' não existe", escreveu a cantora Iza em uma publicação nas redes sociais. A mesma mensagem foi escrita pela atriz Deborah Secco que adicionou que a decisão era "revoltante". Outra atriz, Bruna Marquezine, mostrou sua revolta e até soltou um palavrão ao reclamar da decisão pelo Twitter. A cantora MC Rebecca foi além. Além de criticar o país pela decisão, fez um paralelo com a sua própria profissão. "'Estupro Culposo' não existe! Justiça por Mari Ferrer. Um país onde ser MC é crime e um estuprador é inocentado", postou.