Filha do traficante mexicano se declara culpada nos EUA por vínculos com o narcotráfico

·2 minuto de leitura
Jessica Johanna Oseguera González, de 34 anos, admitiu negócios intencionais com empresas mexicanas identificadas como traficantes de drogas

A filha do traficante mexicano Nemesio Oseguera Cervantes, conhecido como El Mencho e um dos traficantes mais procurados do México e dos Estados Unidos, se declarou culpada nesta sexta-feira (12) perante o tribunal dos Estados Unidos por laços com o narcotráfico, informaram as autoridades.

Jessica Johanna Oseguera González, de 34 anos, admitiu negócios intencionais com empresas mexicanas identificadas como traficantes de drogas pelo Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) do Tesouro dos Estados Unidos, informou o Departamento de Justiça em um comunicado.

Segundo documentos judiciais, esta dupla cidadã mexicana e americana violou as sanções penais da Lei dos Traficantes de Drogas Estrangeiros (Kingpin Act), ao realizar transações com seis empresas mexicanas incluídas na lista do Tesouro por apoiar as ações da organização criminosa Cartel Jalisco Nueva Generación (CJNG), liderada por seu pai.

Os investigadores indicaram que Oseguera González continuou seu relacionamento com as empresas mexicanas J&P Advertising, JJGON SPR, Cabañas las Flores, Mizu Sushi Lounge, Tequila Onze Black e Operadora Los Famosos S.A., após terem sido designadas pelo OFAC em setembro de 2015.

Oseguera González, também conhecida como La Negra, pode ser punida com pena máxima de até 30 anos de prisão. Sua sentença deverá ser anunciada em 11 de junho.

Moradora de Guadalajara, México, foi presa em Washington em 26 de fevereiro de 2020, após assistir à audiência de seu irmão Rubén Oseguera González, El Menchito, número dois do cartel CJNG, extraditado em 21 de fevereiro para os Estados Unidos.

El Mencho, o pai deles, ainda está foragido. Os Estados Unidos oferecem uma recompensa de US$ 10 milhões a qualquer pessoa que forneça informações que levem à sua prisão. No México, ele foi identificado como o responsável por emboscadas contra policiais e militares.

O CJNG e Los Cuinis, outro grupo de narcotraficantes, foram incluídos na lista da OFAC em abril de 2015, junto com seus respectivos chefes, El Mencho e Abigael González Valencia, tio dos irmãos Oseguera González.

O Cartel Jalisco Nueva Generación foi criado em 2007 como um grupo de assassinos a serviço do Cartel de Sinaloa, liderado por Joaquín "Chapo" Guzmán, condenado à prisão perpétua nos Estados Unidos. Por volta de 2010, o CJNG se tornou independente e agora luta por posições de narcotráfico com seus ex-aliados.

ad/gma/ap/am