Filho de ex-mulher de Bolsonaro foi condenado por violência doméstica

·3 minuto de leitura
Ivan Valle é filho de Ana Cristina Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução)
Ivan Valle é filho de Ana Cristina Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução)
  • Ivan Valle, filho de Ana Cristina Valle, foi condenado por violência doméstica

  • Ele chutou a perna e deu um tapa no rosto da ex-companheira, Juliana Alencar

  • Ivan Valle foi condenado a 3 meses e 15 dias em regime aberto, além do pagamento de dois salários mínimos à vítima

Ivan Valle, filho de Ana Cristina Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro, foi condenado por violência doméstica pela Justiça do Rio de Janeiro. A informação foi revelada pelo colunista Guilherme Amado, do portal Metrópoles.

O caso teria ocorrido em 2018, mas a condenação é de abril de 2021. Antes da condenação, ele já havia sido notificado judicialmente pelo menos três vezes para não se aproximar da ex-companheira, Juliana Alencar. Ela seria a vítima das agressões.

Leia também

Ivan Valle teria agredido Juliana Alencar e, por isso, foi condenado a 3 meses e 15 dias de detenção, em regime aberto. Ele também teve de pagar dois salários mínimos à vítima por danos morais. Atualmente, o caso segue em tramitação no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Até o início deste ano, o ex-enteado de Jair Bolsonaro ocupava um cargo de confiança na Secretaria de Esportes do governo do Rio de Janeiro.

Caso de agressão

Segundo informações do Metrópoles, a agressão teria acontecido em 19 de julho de 2018. A vítima, Juliana, disse à polícia e também à Justiça que recebeu um chute na perna e um tapa no rosto. Ivan também teria apertado o pescoço dela e empurrado a vítima. Toda a agressão aconteceu em frente a filha deles, de um ano na época.

Juliana contou que Ivan Valle foi até a casa dela com uma decisão judicial, alegando que ele poderia ficar com a filha nos fins de semana. Os dois discutiram e o homem pegou a criança no colo.

“Ele foi no meu pescoço. Eu pedia pra ele me dar ela, porque ela estava gritando (…) Eu estava na frente do elevador ainda. Quando ele soltou o meu pescoço e eu fui tentar pegá-la, ele veio com a cabeça na minha testa e me empurrou contra o elevador”, revelou no depoimento, obtivo pelo Metrópoles.

A mulher tentou chegar até a escada do prédio para evitar que Ivan levasse a criança e conta que foi agredida mais uma vez. “Ele me deu um chute na perna esquerda, no tornozelo”, o que teria gerado um edema, além de lesões nos tendões da perna.

Juliana realizou o exame de corpo de delito e o documento registrou que as lesões foram sofridas por “ação contundente”. No dia seguinte, ela foi à polícia e registrou um boletim de ocorrência sobre a agressão. Em seguida, ela conseguiu uma medida protética, com base na Lei Maria da Penha.

Em dezembro de 2018, ele teria descumprido a medida ao procurar Juliana por telefone, além de ter ido até a casa da vítima. Em março de 2019, ele foi denunciado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro por lesão corporal e violência doméstica. A denúncia foi aceita e ele se tornou réu.

Ivan, por sua vez, nega as acusações e, ao dar sua versão, não relata nenhum tipo de agressão. Ele indicou quatro testemunhas, entre elas Ana Cristina Valle, mas a juíza entendeu que ele não conseguiu produzir provas para negar a acusação.

Em 20 de abril de 2021, a condenação de Ivan Valle foi assinada pela juíza Adriana Ramos de Mello, do 1º Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do Rio de Janeiro.

Ao colunista Guilherme Amado, a defesa de Ivan Valle afirma que ele foi vítima de uma “grave injustiça”. Já Juliana Alencar disse que não pode se pronunciar no momento, porque o processo ainda tramita na Justiça, mas alega que “tem muito a dizer”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos