Filho de juiz nova-iorquino é detido por invasão ao Capitólio

·2 minuto de leitura
Apoiadores do presidente Donald Trump invadiram o Capitólio, em 6 de janeiro de 2021, inconformados com os resultados das eleições presidenciais de 2020, vencidas por Joe Biden

O filho de um juiz de Nova York foi detido nesta terça-feira (12) por participar da violenta invasão do Capitólio na semana passada por apoiadores do presidente Donald Trump, afirmaram promotores.

Aaron Mostofsky, de 34 anos, é o último da lista de simpatizantes do presidente que será denunciado pela invasão da sede do Congresso americano na quarta-feira passada, que fez os legisladores temerem por suas vidas.

Mostofsky foi alvo de quatro acusações, incluindo roubo de propriedade do governo, ingresso ilegal a prédio restrito e conduta desordeira, segundo a ata da acusação.

Os promotores alegam que ele roubou o escudo e um colete à prova de balas, usados por policiais anti-distúrbios.

Eles citaram fotos de Mostofsky, inclusive uma postada em sua conta no Instagram, em que aparece dentro do Capitólio com o colete e o escudo. Ele também vestia peles e carregava um bastão.

"Eu não acho que 75 milhões de pessoas votaram em Trump. Acho que foram quase 85 milhões", disse Mostofsky ao jornal New York Post no dia da invasão.

"Eu acho que alguns estados que ficaram vermelhos por muito tempo, passaram a ficar azuis e foram roubados, como Nova York", acrescentou, em alusão às cores vermelha, do Partido Republicano, e azul, do Democrata.

A campanha de Trump perdeu dezenas de recursos em diversos estados, onde os juízes afirmaram que não há evidências de qualquer fraude significativa nas eleições presidenciais de novembro.

O democrata Joe Biden teve sete milhões de votos a mais que Trump e venceu as eleições com 306 votos no colégio eleitoral contra 232.

Mostofsky pode ser condenado a até dez anos de prisão se for condenado pelo crime mais sério: o de roubo a propriedade do governo.

Nesta terça, ele se apresentou a um juiz do Brooklyn, que o liberou sob fiança e algumas condições, como evitar reuniões políticas e não deixar Nova York sem permissão.

O pai de Mostofsky é Shlomo Mostofsky, juiz da Suprema Corte do estado no Brooklyn e uma figura proeminente na comunidade judaica ortodoxa nova-iorquina.

Centenas de pessoas podem ser presas por vínculos com a invasão do capitólio e algumas podem responder por insurreição e conspiração, disse nesta terça-feira o procurador Michael Sherwin, do distrito de Columbia, onde fica a capital, Washington.

pdh/dw/mvv