Filho de Márcia Manfredini presta homenagem e fala de últimas conversas com a mãe: 'Magrela, você podia ser eterna'

Filho da humorista Márcia Manfredini, Nicolas Manfredini prestou uma homenagem para a mãe, que morreu na última segunda-feira, dia 5, aos 62 anos. No texto, ele agradece as mensagens de carinho que tem recebido e dimensiona o quanto o bom humor da atriz foi importante para muitos fãs e amigos.

"Minha mãe teve uma missão linda e foi comprometida com isso por toda sua vida, não descansou um minuto se quer para cuidar de todos ao seu redor, para fazer todos felizes. Sua alegria era tanta que ela conseguiu dividir isso com todo um país. Prova disso é a quantidade de mensagens de carinho que todos nós temos recebido. Sem dúvida foi uma grande amiga, companheira, confidente, uma boa válvula de escape para a tristeza e uma atriz que alegrava muita gente na Tv ou no teatro", começa o texto.

Mais que divertida, dentro de casa Márcia era uma "mãe-coruja".

"Acho que ela nunca imaginava ser mãe. Quando isso aconteceu se tornou a missão de vida dela. Foi a mim e a Luiza que ela dedicou integralmente os seus últimos 26 anos. Foi difícil, temos que admitir, e com isso também admitir que sua paciência e amor eram infinitos. Era uma mãe coruja, com uma asa que cobria o mundo, digo por experiência própria. Hoje sei que ela estava em missão, acabou e foi para outra. Gosto de acreditar que esse ser tão iluminado que foi minha mãe, na verdade é um anjo que viaja por aí ajudando quem precisa. Foi isso que ela fez com verdadeiro amor nessa vida e ainda arrumou tempo pra construir uma carreira invejável, amigos de profissão que viraram amigos de vida. Se divertiu, sofreu, viveu intensamente essa vida louca".

Nicolas admirava a forma como ela lidava com as "loucuras da vida". E é neste trecho da carta, que ele cita as últimas conversas que tiveram.

"A via lidando com a 'loucura da vida' de forma tão natural que me questionava o que a guiava. Esses pequenos segredos são os que eu menos sei. Precisou de tempo para esses assuntos chegarem até nós e nos últimos telefonemas que tivemos falamos algumas vezes profundamente sobre a vida. Me vi surpreso de ainda estar conhecendo camadas e conhecimentos dela, que mesmo com a sua partida serão um aprendizado eterno. Minha mãe é um meteoro de amor e paz e que passou muito rápido por nossas vidas. Um milênio seria pouco para tanto que ela tinha para mostrar, alegrar e cuidar. Como ouvi de muitos ontem: 'Magrela, você podia ser eterna'".