Filme sobre povo Pankararu teve estreia mundial em Paris

O filme Rama Pankararu, que teve estreia mundial no último Festival de Cinema Brasileiro de Paris, traz um foco na comunidade indígena do sertão pernambucano, mas propõe um debate mais amplo sobre questões relacionadas a muitos povos originários do país.

Rama Pankararu foi produzido pela Copa Filmes e é dirigido por Pedro Sodré, que co-assina o roteiro com Bia Pankararu, protagonista e fio condutor da obra que mistura ficção com a realidade vivida pela comunidade indígena.

A escolha do diretor Pedro Sodré pela etnia Pankakaru foi definida após ter visto o documentário “Do São Francisco ao Pinheiros”, assinado pelos seus amigos João Cláudio de Sena e Paula Morgado, antropóloga da USP. “O filme me inspirou e decidi mostrar a etnia Pankararu”, conta Pedro.

Depois do lançamento de seu primeiro longa “Rio Mumbai”, o jovem cineasta optou por voltar ao propósito que o fez escolher a sétima arte. “Voltei às origens do que pretendo fazer no cinema, o ‘cinema-verdade”, ou seja, um filme de ficção ancorado na realidade, com pessoais reais e que vivem seus próprios personagens”, contou.

A ideia de construir um roteiro com os próprios personagens foi facilitada pelo encontro com Bia Pankararu, indicada para o trabalho de produção, mas que logo passou a ser protagonista do filme e co-roteirista.

"Minha função maior foi decidir o que a gente queria falar. Foi como se Pedro trouxesse o esqueleto do filme, e eu recheei com as histórias, com os conflitos, e com a verdade do que acontece no território”, assinala Bia. “Quis que ela também assinasse 100% o roteiro”, afirmou Pedro na entrevista à RFI.

Para o diretor Pedro Sodré, fazer o filme propõe mais do que dar visibilidade para a cultura, tradições e problemáticas de uma comunidade indígena.


Leia mais

Leia também:
“Esse ouro tem sangue Yanomami”, diz representante indígena sobre garimpo ilegal
A volta do manto tupinambá: como indígenas da Bahia retomaram peça sagrada que só era vista na Europa
Fundação de cidades coloniais no Brasil e nos EUA dependeu de troca com indígenas, mostra livro

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos