Fim do auxílio emergencial dificulta a busca por emprego pelos mais pobres

Letycia Cardoso e Raphaela Ribas

RIO - Com o fim do auxílio emergencial em dezembro, mais gente está nas ruas em busca de trabalho neste início de ano.Mas, sem o benefíico, procurar emprego ficou ainda mais difícil para os mais pobres. Falta dinheiro para o transporte, para imprimir um currículo e para manter o celular funcionando.

Economistas projetam que a taxa de desemprego vai superar 16% até março e a pobreza pode alcançar quase 30% da população.

O GLOBO acompanhou quatro desempregados em busca de uma oportunidade. Veja a história desses brasileiros na reportagem exclusiva para assinantes