Fim do horário de verão contribuiu para conta de luz mais cara?

Ana Paula Ramos
·3 minuto de leitura
View of the Belo Monte Hydroelectric Power Plant in Altamira, Para State, Brazil on March 11, 2019. (Photo by Mauro Pimentel / AFP)        (Photo credit should read MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)
Hidrelétrica de Belo Monte em Altamira, Pará (Photo MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)

Neste mês, o custo da energia elétrica aumentou em praticamente todo o país. Segundo justificativa da Agência Nacional de Energia Elétrica, responsável pela decisão, a queda no nível de armazenamento nos reservatórios das hidrelétricas e a retomada do consumo de energia levaram à revisão da bandeira tarifária.

A bandeira vermelha 2 prevê o custo de R$ 6,243 para cada 100 quilowatts-hora consumidos. É o nível mais crítico. Quando a produção nas usinas hidrelétricas está favorável, aciona-se a bandeira verde, sem acréscimos na tarifa - ou seja, a energia fica mais barata. Em condições ruins, podem ser acionadas as bandeiras amarela, vermelha 1 ou vermelha 2.

Leia também

Em 2019, o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que acabou com o horário de verão no Brasil. Ele levou em consideração uma pesquisa do Ministério de Minas e Energia dizendo que 53% dos entrevistados se declararam insatisfeitos com a ideia de adiantar o relógio em uma hora.

O argumento é que a medida também não gerava uma economia significativa no consumo de energia elétrica.

Atualmente o ar-condicionado é o grande vilão do setor elétrico. E segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o pico de consumo de energia ocorre entre 14h e 15h, quando o dia está mais quente, e os locais de trabalho estão cheios de pessoas. Além disso, quem tem ar-condicionado em casa costuma deixá-lo ligado da meia-noite às 7h.

O fato é que o último horário de verão (2018-2019) resultou em uma economia média de 2,7%.

Para o coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (Gesel) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Nivalde de Castro, o horário de verão ainda é um instrumento de eficiência energética que deveria ser usado no Brasil. Tanto que ainda é adotado em muitos países para aproveitar a luz natural.

Além de gerar alguma economia, o especialista diz que o horário de verão tem uma outra finalidade ainda mais importante: evitar um desequilíbrio momentâneo entre oferta e demanda de energia, o que causa apagões. “Este segundo objetivo é mais estratégico, pois as interrupções causam prejuízos de diferentes tipos”.

Quanto maior a atividade econômica, maior o consumo de energia. Por conta da pandemia do coronavírus neste ano, a partir de março houve uma queda no consumo. Mas em novembro, já começou o processo de retomada, segundo o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro alertou para o risco de “apagão” no Brasil, caso a quantidade de chuvas não aumente.

“O pessoal critica, agora se eu não fizer nada, daqui a um mês, se não chover, você pode ir para um racionamento, até poder ter apagão. Daí piora tudo. E quanto mais baixa a represa, mesmo que você jogue na subida a mesma quantidade de água, gera menos energia, porque tem menos potência”, disse o presidente, ao conversar com apoiadores no Palácio da Alvorada.

No entanto, especialista descarta a possibilidade de haver racionamento de energia.

“A demanda de energia no Brasil tem crescido muito pouco, em razão da crise econômica. Ao mesmo tempo, houve aumento da oferta, com a inauguração de unidades geradoras de diferentes tipos: hidrelétricas, eólicas, solares e termoelétricas. Não há atualmente este risco de apagão”, diz Castro.