Final do Skate Park: Entenda por que australiano teve notas tão acima dos demais e como protesto pode ter prejudicado brasileiros

·3 minuto de leitura

Duas voltas espetaculares que receberam notas acima da média dos demais. Com 94.04 e 95.83, Keegan Palmer faturou a medalha de ouro no Skate Park masculino, na madrugada desta quinta-feira. Quem assistiu a final, não coloca os méritos do australiano em xeque. De fato, foi o melhor. Mas o que causa estranhamento — e é de difícil explicação — é como ele conseguiu ser tão superior aos demais na avaliação dos jurados. Fato que gerou repercussão nas redes sociais.

As notas de Keegan surpreendem não pela execução, mas pelo tamanho. O skatista de 18 anos foi o único a conseguir ter notas acima de 90 em uma final nivelada por cima — e duas nesta casa. Deixando de lado o australiano, a maior nota (ou terceira no geral) foi a do brasileiro Pedro Barros, com "apenas" um 86.14. Os quase 10 pontos de diferença são incomuns e geraram críticas.

— Achei que as notas do Keegan Palmer foram um pouco superdimensionadas, mas ele foi merecedor da medalha de ouro. Por isso, sou da opinião que o skate precisa de uma entidade mundial própria, descolando-se dos esportes de patinação e seus critérios duvidosos de julgamento — explica Guto Jimenez, skatista profissional.

Os especialistas consultados pelo GLOBO são unânimes: Keegan mereceu ter ficado em primeiro lugar porque, de fato, fez as melhores voltas da decisão. Eles apontam que a execução teve alto nível técnico nas manobras, linhas bem executados e muita velocidade. Isso faz a diferença no julgamento e aumenta o valor das notas.

— O 540 varial foi a cereja do bolo, ali ele definiu o ouro para si — completa Guto.

Notas acima de 90 não são novidade no Park. Medalha de prata em Tóquio, Pedro Barros já venceu um mundial da categoria tendo avaliação acima de 95. O problema é que tanto ele, quanto o brasileiro Luiz Francisco e o norte-americano Corey Juneau fizeram voltas que mereciam notas acima de 90, de acordo com os consultados pela reportagem. Reflexo do problema cotidiano de um esporte onde notas são subjetivas.

— O Pedro Barros andou muito bem, mas faltou algumas novidades nas manobras. Ele mandou muita coisa que sempre vemos ele fazendo, as coisas de sempre que aparece em vários campeonatos. Por ele não ser uma novidade, faltou uma inovação. Já o australiano chegou andando com mais velocidade, mais manobras e coisas diferentes — afirma Julio Vasconcellos, presidente da Associação de Skate do Rio de Janeiro.

Protesto pode ter prejudicado

Se Pedro Barros não reclampu publicamente dos jurados, o mesmo não aconteceu com Luiz Francisco. Quarto colocado, o skatista não entendeu a avaliação de sua volta final, que poderia levá-lo para a medalha de bronze. Ele afirma que "fez mais manobras" e recebeu nota menor. Para Guto Jimenez, o protesto feito pelos brasileiros recentemente pode ter os prejudicado em Tóquio.

— A impressão que deu é que os juízes da World Skate passaram o recado de que nenhum skatista brasileiro levaria o ouro, talvez em represália contra o protesto protagonizado por eles na Dew Tour de Des Moines — diz Guto.

Na ocasião, Pedro Quintas, Pedro Barros e Luiz Francisco fizeram suas duas voltas iniciais, mas optaram por não executar as arriscadas manobras na última tentativa, e, em vez disso, fizeram dancinhas e brincaram em cima do skate durante os 45 segundos destinados às corridas. Luiz chegou a usar seu equipamento como uma espécie de carrinho de rolimã.

As manifestações foram geradas pela insatisfação dos brasileiros com as notas dadas ao norte-americano Thomas Schaar, que fez duas excelentes voltas, mas as pontuações dadas a elas foram baixas. A maior nota de Schaar, um 77,05, só surgiu na última volta, justamente quando ele sofreu uma queda e foi suficiente para garanti-lo na final.

"Talvez estejamos sendo julgados por pessoas que nunca tenham andado de skate na vida", disse Pedro Barros à transmissão oficial do Dew Tour. "Quero dizer que o Schaar destruiu neste Park desde o começo, mas nós não entendemos o resultado", completou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos