Financiador da defesa de Adélio Bispo agiu por “amor ao próximo”, diz advogado

·2 min de leitura
Adélio foi o responsável pelo atentado contra Bolsonaro em 2018 (Raysa Leite/AFP via Getty Images)
Adélio foi o responsável pelo atentado contra Bolsonaro em 2018 (Raysa Leite/AFP via Getty Images)
  • Advogado de Adélio Bispo destacou direito do rapaz que atacou Jair Bolsonaro se defender na Justiça

  • Ele informou que o financiador da defesa pediu anonimato

  • Pedro Possa não acredita que o caso será reaberto

Um dos advogados de Adélio Bispo, homem que esfaqueou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ainda durante a campanha eleitoral em 2018, afirmou que o financiador da defesa do rapaz agiu “por amor ao próximo”.

Em entrevista ao UOL News na manhã desta sexta-feira, Pedro Possa destacou o direito de defesa de Adélio e revelou que o tal financiador pediu anonimato.

"É uma pessoa ligada a ele (Adélio) religiosamente. Eu não sei a identidade dela, só o doutor Zanone (Muriel, que está à frente da defesa de Adélio) que sabe, teve contato com ela. Mas não há mandante, um financiador, ninguém que tinha conhecimento prévio dessa ação perpetrada pelo Adélio. Somente ao saber da facada é que ele se dispôs a ajudá-lo por uma questão de amor ao próximo, vamos assim dizer", declarou.

O episódio da facada voltou a ser notícia depois que o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) derrubou a liminar que impedia a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telemático de Zanone. O advogado foi alvo de uma ação da Polícia Federal em dezembro de 2018 e teve computadores, celulares e anotações ficais apreendidos.

Reabertura do caso

Após o atentado de setembro de 2018, dois inquéritos foram arquivados. Advogado de Bolsonaro, Frederick Wassef confia que a decisão do TRF-1 pode reabrir o caso, mas Pedro Possa não acredita na possibilidade.

Financiador de Adélio Bispo pediu anonimato - Foto: Reprodução
Financiador de Adélio Bispo pediu anonimato - Foto: Reprodução

"Uma das provas que o presidente e seu advogado sempre tentam trazem à tona é de que haveria um mandante, supostamente um politico, por trás disso, o que a gente sabe, da defesa, que isso nunca existiu. Na verdade, só uma pessoa disposta a ajudá-lo quis financiar a defesa e daí entramos no caso", afirmou.

O próprio advogado também garantiu que a defesa de Adélio não vai recorrer da decisão do Tribunal. "Nós não vamos recorrer. Se alguém for tomar providência será a OAB. Não temos nada a esconder, estamos tranquilos com relação a isso. Confiamos no trabalho na Polícia Federal."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos