Finlândia pede paciência após Turquia não apoiar entrada na Otan

Ministro das Relações Exteriores da Finlândia, Pekka Haavisto

Por Essi Lehto

HELSINQUE (Reuters) - O ministro das Relações Exteriores da Finlândia, Pekka Haavisto, pediu paciência, nesta sexta-feira, e uma abordagem passo a passo em resposta à resistência da Turquia à entrada dos finlandeses e da Suécia na Otan.

O presidente turco, Tayyip Erdogan, havia dito mais cedo que a Turquia, integrante da Otan, não apoia os planos finlandeses e suecos de se juntarem à aliança militar, erguendo uma possível barreira porque a entrada de um novo membro exige apoio unânime de todos os 30 Estados-membros.

“Precisamos de paciência nesse tipo de processo. Não acontecerá em um dia... Vamos lidar com as questões passo a passo”, disse Haavisto a repórteres.

A declaração de Erdogan pareceu ser surpreendente à Finlândia, após Haavisto visitar a Turquia duas vezes nos últimos meses e o presidente finlandês, Sauli Niinisto, falar com Erdogan por telefone no começo de abril.

Após a ligação, Niinisto tuitou: “A Turquia apoia os objetivos da Finlândia”.

Niinisto e a primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin, deram início ao processo de entrada da Finlândia à Otan na quinta-feira ao anunciar que ambos eram a favor de se juntar à aliança, uma mudança brusca de política motivada pela invasão da Rússia à Ucrânia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos