Fiocruz Amazônia afirma que a nova subvariante BQ.1 da Ômicron começou a circular no Brasil

A BQ.1 subvariante da Ômicron associada a um recente aumento de casos de Covid-19 nos Estados Unidos e na Europa já foi identificada no Brasil. A subvariante foi sequenciada pela Fiocruz Amazônia, no final de outubro.

Fiocruz: estudo aponta aumento nos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave em adultos

Covid-19: infecção ativa a mesma inflamação cerebral que o Parkinson, diz estudo

— Nós encontramos um caso da BQ.1 no Amazonas, no dia 20 de outubro. Chamou a atenção porque era uma variante com alerta nos outros países — diz Felipe Naveca, pesquisador da Fiocruz Amazônia.

A subvariante gera preocupação porque ela possui mutações que a ajudam a escapar da resposta imunológica. Dados do último relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que ela já foi encontrada em 65 países.

— Ela escapa de anticorpos e isso sempre chama a atenção — explica Naveca.

Dependência da tecnologia: Cientistas mostram como os humanos poderão parecer no ano 3000; veja fotos

Por outro lado, o pesquisador diz que a variante que está por trás do recente aumento de casos n Amazonas é a BA.5.3.1. Segundo ele, essa subvariante possui algumas das mutações observadas na BQ.1 e já corresponde a quase 95% dos casos sequenciados em outubro, no estado.

— Ela já tinha sido detectada no Amazonas em junho, e também em outros estados do Brasil, mas ate alguns dias atrás, eram poucos casos relatados no país. Agora, vimos que ela está se espalhando e que possui algumas mutações observadas na BQ.1. Isso já era esperado e mostra que o coronavírus está evoluindo de forma parecida, em diferentes lugares do mundo — diz Naveca.

Entrevista: ‘Os homens ainda veem o exame de câncer de próstata como uma ameaça à sua masculinidade’, diz urologista de Harvard

Para o pesquisador, a detecção da BQ.1 e o aumento de casos da BA.5.3.1 são sinais de alerta. Mas ele ressalta que não há motivo para desespero.

— Não estamos vendo um aumento de casos graves e isso é super importante. A vacinação e a imunidade adquirida continuam segurando o aumento de casos graves — afirma o pesquisador.

Por outro lado, esse pode ser um bom momento para colocar a vacinação em dia.