Fiocruz anuncia que receberá este mês da AstraZeneca o dobro de IFA previsto para produção de vacina

O GLOBO
·2 minuto de leitura

RIO - A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou nesta sexta-feira que receberá da AstraZeneca este mês o dobro do número de lotes de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), que é matéria-prima para a produção da vacina, previstos para março.

Segundo a nota, serão enviados da China, em março, quatro lotes de 256 litros cada, com quantidade de insumo suficiente para a produção de cerca de 30 milhões de doses de vacina. Com isso, a produção de vacinas na Fiocruz estará garantida até o final de maio.

Uma remessa programada para chegar ao Brasil neste sábado não havia sido liberada por conta da emissão da licença de exportação pelas autoridades chinesas e a conclusão dos procedimentos alfandegários.

"Ao ser informada sobre a situação, a Fiocruz comunicou ao Ministério da Saúde (MS), que atuou prontamente, com o apoio do Ministério das Relações Exteriores, junto às autoridades competentes para proceder com o embarque do IFA e sua liberação. Com a obtenção da licença para exportação das autoridades chinesas na manhã desta sexta-feira, a AstraZeneca informou o adiantamento de dois lotes a mais, totalizando o envio de quatro lotes em março", informou a Fiocruz.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu nesta sexta-feira o registro para a vacina contra a Covid-19 da farmacêutica AstraZeneca desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford. O imunizante, que é produzido no Brasil pela Fiocruz, foi a principal aposta do governo brasileiro para a imunização da população.

A vacina da AstraZeneca já tinha autorização para uso emergencial no Brasil, mas fabricada pelo Instituto Serum, da Índia. A Fiocruz espera entregar cerca de 222 milhões de doses neste ano, sendo 112 milhões até julho. Em nota, a fundação afirmou que com o registro, poderá entregar as primeiras doses na semana que vem:

"A Fiocruz passa a ser a detentora do primeiro registro de uma vacina Covid-19 produzida no país e incorpora ao seu portfolio de produção a décima primeira vacina a ser fornecida para o Programa Nacional de Imunizações (PNI). Com o registro, a expectativa é de que a Anvisa autorize a liberação dos primeiros lotes até este domingo (14/3) para que, na próxima semana, a Fiocruz já possa entregar ao PNI o primeiro milhão de vacinas Covid-19 produzidas pela instituição." Neste mês, serão distribuidos 3,8 milhões de doses após um problema técnico, em vez dos 15 milhões prometidos anteriormente.

A vacina alvo do registro definitivo é aquela produzida pela Fiocruz com Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), matéria-prima para confecção do imunizante, vindo do exterior. Caso a Fiocruz deseje registro para a produção 100% nacional, deverá encaminhar à Anvisa informações sobre o processo de fabricação do IFA no Brasil e a agência avaliará os dados para a alteração do registro e inclusão do imunizante produzido nesses termos.