Fiocruz: Casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave aumentam 135% no Brasil

·2 min de leitura
RIO DE JANEIRO, BRAZIL â OCTOBER 27 : Covid-19 patients receive treatment in Intensive Care Unit of the Municipal Hospital of Posse, in the city of Nova Iguacu, Rio de Janerio on October 27, 2021. Hospitals in Rio de Janeiro are expecting a decrease in severe cases, but deaths by Covid-19 are still high in the country. Most of the hospitalized people have not taken the Covid-19 vaccine in the country. Brazil registers 13,400 cases and 442 deaths in 24 hours. Since the start of the pandemic, 606,246 people have died from the Covid-19. (Photo by Fabio Teixeira/Anadolu Agency via Getty Images)
Casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave aumentam 135% no Brasil. Foto: Getty Images
  • Casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) aumentaram 135% no Brasil

  • Número de casos passou de 5,6 mil para 13 mil, segundo a Fiocruz

  • Este é o primeiro boletim divulgado após mais de um mês em função de um ataque hacker

Casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) aumentaram 135% no Brasil nas últimas três semanas de novembro, em relação o período imediatamente anterior. De acordo com o Boletim Infogripe da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado neste sábado (15), o número de casos passou de 5,6 mil para 13 mil.

Este é o primeiro boletim divulgado após mais de um mês em função do "apagão" no sistema do Ministério da Saúde, que inviabilizou o acesso aos dados sobre a pandemia de covid-19 no Brasil. "A velocidade com que a Covid-19 se espalha entre a população cresceu, semanalmente, de 4% para 30%", afirmou o pesquisador Marcelo Gomes, responsável pelo InfoGripe, em comunicado.

O boletim mostra, ainda, crescimento em todas as faixas etárias a partir de 10 anos, desde o final de novembro e início de dezembro até agora. Os dados laboratoriais apontam que esse aumento foi consequência tanto da epidemia de gripe quanto pela retomada do crescimento de casos de covid, com o avanço da ômicron.

No país, das 27 unidades federativas, 25 apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo até o período de 2 a 8 de janeiro de 2022. O Rio de Janeiro, embora mostre estabilidade na tendência de longo prazo, tem indícios de crescimento de curto prazo. Apenas Roraima mostra estabilidade nas tendências de longo e curto prazo.

Com exceção de Roraima e do Rio, todos os estados têm sinal de crescimento de casos de Síndrome Respiratória Aguda (SRAG) na tendência de longo prazo, com o indicador em nível forte (probabilidade acima de 95%).

Apenas Amazonas e Rondônia apresentam sinal de estabilidade na tendência de curto prazo. Todos os demais apresentam sinal de crescimento, sendo este sinal moderado (probabilidade maior do que 75%) no Amapá, Pará e Piauí e forte em todos os demais. No Rio de Janeiro, observa-se sinal forte de crescimento na tendência de curto prazo, embora a tendência de longo prazo esteja em situação de estabilidade.

"Praticamente todos os estados apresentaram sinal de crescimento entre 26 de dezembro e 1º de janeiro e de 2 a 8 de janeiro. , deixando claro que tal contexto é anterior às celebrações de final de ano, reforçando a importância dos alertas quanto aos cuidados necessários à época. A manutenção da divulgação dos dados durante este período, certamente teria dado melhores condições para a população tomar decisões adequadas ao momento epidemiológico", ressaltou Gomes, coordenador do InfoGripe.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos