Fiocruz diz que deve entrar com protocolo para promover estudos da vacina contra Covid-19 em crianças e adolescentes

Louise Queiroga
·1 minuto de leitura

A presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade Lima, afirmou nesta terça-feira, dia 30, que a instituição deve entrar em breve com um protocolo para iniciar estudos da vacina contra Covid-19 em crianças e adolescentes. A declaração foi dada durante transmissão ao vivo promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nas redes sociais.

— Nesse momento deve-se entrar com protocolo para pesquisa no Brasil da vacina que nós estamos produzindo na Fiocruz, a partir do acordo com a AstraZeneca, como eu disse, para o uso imediato. Então espero que em breve tenhamos a aprovação desse estudo — disse Trindade, ao ser questionada especificamente sobre em que momento as doses seriam administradas em menores de 18 anos.

A presidente da instituição lembrou que a vacina da Pfizer é uma que já tem permissão em outros países para ser aplicada em pessoas a partir de 16 anos. Para ela, os jovens devem ser um dos focos de atenção para uso imediato, assim como crianças e adolescentes.

Trindade ressaltou ainda a importância de haver estudos clínicos referentes às grávidas.

— Temos acompanhado casos graves envolvendo gestantes. Esse é um outro grupo de preocupação para os estudos clínicos com as vacinas para Covid-19 — afirmou.