Fiocruz inicia nesta quinta-feira programa de vacinação em massa contra a Covid-19 na Maré

·3 minuto de leitura

RIO — A Fiocruz inicia nesta quarta-feira o programa de vacinação e massa no Complexo da Maré, Zona Norte do Rio. Até sábado está previsto que 30 mil moradores das favelas da Maré entre 18 e 33 anos sejam vacinados contra a Covid-19. A iniciativa é uma colaboração entre a a Fiocruz, Redes da Maré e a Prefeitura do Rio de Janeiro e tem o objetivo de analisar o comportamento da doença em uma população imunizada ao longo do tempo. Este é o segundo projeto de pesquisa de vacinação em larga escala no Rio, sendo o primeiro feito em junho em Paquetá — quando 1,5 mil pessoas foram imunizada contra a Covid-19.

Com cerca de 140 mil habitantes, o Complexo da Maré é o maior conjunto de favelas do Rio. Desde o início da pandemia foram confirmados 317 mortes e quase 6,8 mil casos de coronavírus no bairro, o que deixa a Maré em 13.º no triste ranking de bairros com mais pessoas infectadas na capital.

Os moradores que irão se vacinar já passaram por um cadastro prévio na última semana e a vacinação começa hoje com o grupo de 25 a 33 anos. Amanhã serão imunizados quem tiver de 18 a 24 anos e no sábado haverá repescagem para todos com mais de 18 anos. Serão 121 pontos de vacinação no complexo, como em clínicas da família, centros municipais de saúde, associações de moradores, escolas e na Vila Olímpica da Maré e a ação deve mobilizar 500 voluntários.

Os 30 mil que serão vacinados serão integrados aos grupos que moram nas comunidades e já receberam ao menos uma dose da vacina e serão monitoradas pelos grupos de pesquisa. Um dos objetivos será analisa a efetividade da vacina por diversos critérios como idade, sexo, fabricante e tempo de vacinação.

Segundo a prefeitura do Rio, o estudo também irá analisar os aspectos da doença em si, como a dinâmica de transmissão do vírus em um território como as favelas da Maré, a vigilância de suas variantes e o acompanhamento de possíveis efeitos adversos das vacinas.

Ao contrário de Paquetá onde os adolescentes de mais de 12 anos receberam a vacina da Pfizer, ainda não há previsão disso ocorrer na Maré. Mas apesar de as crianças e jovens não estarem no grupo de vacinação eles serão também acompanhados, já que os pesquisadores buscam saber se a imunização em massa de adultos inibe a transmissão para menores de 18 anos.

O estudo terá duas linhas de trabalho simultânea. A primeira é a identificação e testagem de casos suspeitos de Covid-19, que contará com a busca ativa nas unidades de Saúde da região. A partir disso os pesquisadores irão cruzar a evolução de cada caso com a situação individual. Também haverá o sequenciamento genético de todos os testes que derem positivo para identificar as variantes que estão em circulação na Maré.

Serão selecionados também 2 mil famílias para serem acompanhadas de perto pelo estudo. Os pesquisadores querem avaliar a transmissão do vírus no ambiente familiar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos