Fisiculturista é morto por PM que colocou joelho sobre seu pescoço durante ação em SP

Fisiculturista foi morto em ação da PM - Foto: Arquivo Pessoal
Fisiculturista foi morto em ação da PM - Foto: Arquivo Pessoal
  • Fisiculturista foi morto por PM durante abordagem na Zona Sul de São Paulo

  • Vítima foi imobilizada e sufocada por agente que colocou joelho sobre seu pescoço

  • Agentes foram ao local após uma briga entre o rapaz e sua companheira

Um homem de 39 anos foi morto por policiais militares que atendiam uma ocorrência na Zona Sul de São Paulo, na noite do último sábado (29).

Reinaldo Armando Vettilo Júnior era fisiculturista e não resistiu após ser imobilizado e sufocado pelos agentes, que chegaram a colocar o joelho no pescoço da vítima.

De acordo com informações do jornal Folha de S.Paulo, a PM foi acionada após uma briga entre Reinaldo e sua companheira. Quatro disparos de taser foram realizados e o rapaz chegou a desmaiar.

Vídeos registrados por uma testemunha mostram cinco agentes imobilizando Reinaldo. Quando o homem cai no chão, um deles sobe em seu corpo, pisa na sua perna e coloca o joelho no pescoço da vítima.

Os PMs envolvidos no caso não prestaram depoimento e não apresentaram as câmeras corporais para que as imagens fossem analisadas, conforme registros do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) informou que a Divisão de Homicídios "realiza diligências para esclarecer as circunstâncias dos fatos". "A Polícia Militar também instaurou inquérito para apurar e esclarecer o caso", completa.

Entenda o ocorrido

Segundo relatos, a briga entre Reinaldo e a companheira começou por volta das 20 horas no apartamento do casal, de onde o rapaz teria tirado a mulher à força.

Outros moradores tentaram interceder, sem sucesso, o que fez com que a polícia fosse chamada. Segundo o pai da vítima, o próprio filho teria pedido para que a polícia fosse chamada.

"Eu não entendo. Ele era assim, sempre que percebia descontrole, pedia ajuda. Mas parece que pediu para as pessoas erradas", declarou à Folha.

O pai afirmou, ainda, que a vítima se rendeu assim que viu os agentes da PM, versão contestada pela corporação.

Após desmaiar, Reinaldo chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Campo Limpo, mas não resistiu. A família explicou que o médico responsável pelo atendimento apontou sufocamento como causa preliminar da morte.