Flávio Bolsonaro admite plano de concorrer a prefeito do Rio em 2024

BRASILIA, DF,  BRASIL,  15-03-2023, Senador Flávio Bolsonaro, filho do ex presidente Jair Bolsonaro, durante entrevista à Folha em seu gabinete no senado federal. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASILIA, DF, BRASIL, 15-03-2023, Senador Flávio Bolsonaro, filho do ex presidente Jair Bolsonaro, durante entrevista à Folha em seu gabinete no senado federal. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) disse à Folha de S.Paulo que quer disputar a Prefeitura do Rio de Janeiro no ano que vem.

O parlamentar afirmou ter colocado o nome à disposição do partido como opção para a eleição de 2024, mas pondera que a decisão deve ser tomada em conjunto com o grupo político do qual ele faz parte.

"Hoje, dentro do PL, eu coloquei meu nome", afirmou o filho mais velho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

É a primeira vez em que Flávio admite o plano de concorrer ao cargo de prefeito. A decisão, porém, ainda depende de costura política.

Além dele, o senador Carlos Portinho (PL) se apresentou como alternativa para disputar a prefeitura e o general Walter Braga Netto (PL) também é citado.

Segundo Flávio, o deputado licenciado Doutor Luizinho (PP-RJ) já expressou desejo de concorrer ao comando do município.

"Se a eleição fosse hoje, eu ia pleitear para que esse grupo me apoiasse na minha candidatura da prefeitura", declarou Flávio.

Segundo o senador, a ideia é que num período mais próximo da eleição seja analisado qual nome é o mais viável.

"Mais uma vez, uma decisão tomada em grupo porque o nome Bolsonaro tem uma expressão gigante no Rio de Janeiro. Mas todas as pessoas que eu falei também têm votos e têm influência perante o eleitor. Então, se for algo consensuado, certamente a gente vai para uma eleição com muito mais chance de sucesso", disse.

Diante de um cenário de disputa apertada, partidos de esquerda e de direita do Rio já deram início a negociações de alianças para a eleição municipal do próximo ano.

No pleito de 2022, Bolsonaro venceu Lula na capital fluminense por uma diferença de 5,3 pontos percentuais.

O PT já fez acenos para pleitear a vice do prefeito Eduardo Paes (PSD) em 2024, que tem está de olho na reeleição.

O movimento político de Paes é citado por Flávio ao falar sobre os planos para a prefeitura do Rio.

"Hoje meu nome está colocado porque não tem outro nome a não ser Eduardo Paes, que se posicionou como um bunker do [presidente] Lula. Obviamente, é o nosso domicílio eleitoral, mas o que eu falo sempre é o seguinte: isso é uma construção, qualquer candidatura ao Executivo, prefeitura, Governo do Estado, Presidência é uma construção", afirmou o senador.

Segundo aliados, o presidente do PL, Valdemar da Costa Neto, vê com bons olhos o nome do general Braga Netto, que foi ministro e candidato a vice na chapa de Bolsonaro em 2022.

Como mostrou o Painel, um diferencial do militar seria a bandeira da segurança pública, que tem apelo no Rio de Janeiro.

Também pesa o fato de que Flávio Bolsonaro, caso seja eleito prefeito, teria de abrir mão de mais de dois anos de mandato no Senado para seu suplente, o empresário Paulo Marinho. Aliado na campanha de 2018, ele hoje é um desafeto do ex-presidente.

Braga Netto ganhou notoriedade ao assumir a função de interventor na área de segurança pública, em 2018, no estado do Rio de Janeiro -por isso, Valdemar acredita que o general seria uma aposta na disputa.

O senador tentará unificar a direita em sua candidatura.

Flávio é o filho 01 de Bolsonaro. A primeira eleição dele foi em 2002, com 21 anos, para o cargo de deputado estadual.

Em 2016, ele concorreu, pelo PSC, à Prefeitura do Rio. Mas terminou em quarto lugar, com 14% dos votos válidos no Rio.

Dois anos depois, na onda do bolsonarismo, ele foi eleito senador com quase 4,4 milhões de votos no estado em 2018, o equivalente a 31,3% dos votos válidos -uma ampla margem em relação ao segundo colocado, Arolde de Oliveira, que obteve 17%.

A pretensão do senador de disputar novamente a prefeitura não conta com o apoio do governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL).

Castro venceu, em fevereiro, a disputa travada com o próprio partido pela presidência da Assembleia Legislativa. O governador tem dado sinais de afastamento do bolsonarismo. A queda de braço com o partido pode culminar com sua saída da sigla do ex-presidente Bolsonaro.