Flávio Dino diz que pediu providências para indenização à família de homem morto em ação da PRF

O ministro da Justiça, Flávio Dino, afirmou nesta sexta-feira que pediu providências para o pagamento de indenização à família de Genivaldo Santos, morto em 25 de maio do ano passado durante uma abordagem da Polícia Rodoviária Federal (PRF), em Sergipe.

Genivaldo morreu após ter sido trancado no porta-malas de uma viatura da PRF e submetido à inalação de gás lacrimogêneo. A certidão de óbito apontou asfixia e insuficiência respiratória como causa da morte. Ele ficou 11 minutos e 27 segundos exposto a gases tóxicos, e impedido de sair de uma viatura da Polícia Rodoviária Federal em Sergipe, segundo a perícia feita pela Polícia Federal.

Por meio do Twitter, Dino anunciou que os trâmites para o pagamento da indenização foram solicitados ao Secretário de Acesso à Justiça, Marivaldo Pereira.

"Genivaldo morreu, em 2022, em face de uma ação de policiais rodoviários federais, em Sergipe. É clara a responsabilidade civil, à luz da Constituição. Determinei ao nosso Secretário de Acesso à Justiça, Marivaldo Pereira, providências visando à indenização legalmente cabível", diz a publicação do ministro.

Os três policiais rodoviários federais acusados de envolvimento na morte de Genivaldo foram presos. William de Barros Noia, Kleber Nascimento Freitas e Paulo Rodolpho Lima Nascimento foram denunciados pelo Ministério Público Federal por homicídio qualificado e abuso de autoridade.