Flamengo anuncia novo museu na Gávea com empresa que arquitetou espaços de Boca Juniors e Benfica

·3 min de leitura

O Flamengo anunciou nesta quinta-feira, em evento na sede da Gávea, o início das obras de um novo museu do clube. O projeto é uma parceria com a empresa Mude, que arquitetou outros 17 empreendimentos do tipo pelo mundo, como os de River Plate e Boca Junior, na Argentina; Benfica, em Portugal; e Juventus, na Itália. Com investimento de R$ 18 milhões, todo feito por patrocinadores, a previsão é que uma parte dele já seja aberta ao público em julho do ano que vem.

O Museu Flamengo, que ocupará o segundo e o terceiro andares da sede, vai incorporar o acervo do Fla Memória, que existe hoje na Gávea e recebe 30 mil visitantes por ano. A expectativa é que o novo espaço multiplique a visitação para até 400 mil pessoas por ano e se torne parte do circuito turístico do Rio. Ele terá 1.200m2, que mais tarde serão expandidos para 2 mil m2, e 14 áreas temáticas abordando não só o futebol, mas também outros esportes fundamentais para a criação do clube, como o remo e o basquete. Além disso, haverá pontos de interação online, com acesso a conteúdo com auxílio de inteligência artificial.

— Teremos um museu moderno e interativo, no patamar dos melhores museus de clubes do mundo. Este é sem dúvida o maior legado que entregaremos para nossa imensa torcida, percorrendo os diversos momentos da história do clube — afirmou o vice-presidente de Patrimônio Histórico do Flamengo, Roberto Magalhães Diniz.

O projeto não teve nenhum aporte financeiro do rubro-negro. O valor foi arrecadado com patrocinadores, que contarão com benefícios das leis de incentivo ao esporte e à cultura do governo do estado e do município. A Mude arcará com 30% do valor, sendo parte dele por meio de um financiamento coma Agência Estadual de Fomento, a AgeRio.

Segundo um estudo da FGV, a cada real investido no Museu Flamengo outros R$ 37 serão revertidos para a cidade com impostos, geração de emprego e turismo, entre outros. Ainda de acordo com o documento, o impacto financeiro anual deve ser de R$ 300 milhões.

— Acreditamos que, em pouco tempo, o Museu Flamengo se tornará um ponto turístico do Rio de Janeiro, com enorme impacto positivo na economia da cidade. O museu abordará todos os momentos mágicos que formam o mosaico da história rubro-negra. Passado e presente se encontrarão com a mesma harmonia que se vê nos estádios entre nossa imensa torcida e o time — disse o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim.

Ainda não há previsão de valor de ingresso. Hoje, fazer um tour pela sede da Gávea com acesso ao Fla Memória custa R$ 55 (ingresso inteiro, para não sócios).

— Estou muito feliz sabendo da construção do Museu Flamengo. Tantos apaixonados lutaram bastante para que isso fosse conseguido. O clube precisa mostrar para os torcedores todas as suas glórias e conquistas. Espero que nossas jornadas sejam muito bem contadas — disse Zico, em um vídeo gravado do Japão.

O Museu Flamengo é a primeira parceria da Mude com um clube do Brasil. Há também conversas para que um museu interativo do Botafogo seja construído na sede de General Severiano.

— O Museu Flamengo foi o primeiro projeto que abraçamos no mercado brasileiro e que deu origem à nossa operação local. Estamos muito felizes por não apenas contar a história, mas por fazer história, com o clube mais querido do Brasil — contou Marcelo Fernandes, CEO da Mude Brasil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos