Flamengo diz que pressão do TRE por não comemorar título em dia de eleição pode prejudicar em final

O Flamengo divulgou nota em que confirma a disposição de colaborar com o Tribunal Reginal Eleitoral do Rio na volta da delegação no domingo, em dia de eleição, mas que mesmo que se comprometa a não fazer festa pública pela cidade, há pressão do órgão que pode impactar no jogo deste sábado, contra o Athletico, pela final da Libertadores.

O comunicado do clube ressalta que diretoria, atletas, comissão técnica, funcionários e todo o estafe do Flamengo presente em Guayaquil tem o direito de ir e vir assegurados pela Constituição. E o desejo de retornar aos seus lares e exercer o direito democrático de votar no segundo turno das eleições.

"Entretanto, mesmo com o todo este enorme trabalho do Clube, sentimos que ainda persiste uma pressão preocupante por parte do TRE, às vésperas de uma das decisões mais importantes da nossa história. Uma pressão que impacta os jogadores e seus familiares e pode interferir negativamente em uma ocasião na qual a concentração do time é imprescindível", diz a nota.

No domingo, está previsto o retorno dos jogadores para casa. Eles desembarcam no Galeão pela manhã. O ofício assinado por Landim garante que, em caso da conquista do título, não haverá desfile de atletas, exibição pública da taça, uso de carros de som ou de trios elétricos para não atrapalhar a circulação dos eleitores e assegurar o direito ao voto neste domingo. A data da festa não foi anunciada. A própria sede do Flamengo, localizada na Gávea, zona sul do Rio, é um local de votação para cerca de dois mil eleitores.

Confira a nota na íntegra:

O Clube de Regatas do Flamengo tomou conhecimento, através de ofício remetido pelo Presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), o Desembargador Elton Leme, de que existe grande preocupação de prejuízo ao processo eleitoral no Rio de Janeiro, em caso de vitória na final da Libertadores.

O Clube, representado pelo Presidente Rodolfo Landim, com os apoios do técnico Dorival Júnior e do capitão Diego Ribas, comunicou ao TRE que estava à disposição para colaborar, dentro de suas limitações legais, com o processo eleitoral.

Diante disso, foi realizada uma reunião, com a presença do alto comando da Polícia Militar, da Polícia Federal e de representante do TRE, na qual foi definida uma linha de ação. O Clube assegurou que, NO CASO DE VITÓRIA NA COMPETIÇÃO, não haverá qualquer festividade PÚBLICA, desfile ou exibição de troféu ou do elenco no dia da eleição.

Ainda foi definido um plano de evacuação dos atletas do aeroporto, sem qualquer contato com o público. Em caso de vitória, será solicitado, ainda, que a torcida não compareça ao aeroporto, já que não será possível qualquer contato com o elenco.

A equipe de segurança do clube foi colocada em total contato com a Polícia Militar para detalhar os procedimentos de evacuação.

Recordamos que diretoria, atletas, comissão técnica, funcionários e todo o estafe do Flamengo presente em Guayaquil possuem o direito de ir e vir assegurados pela Constituição. Em comum, o desejo de retornar aos seus lares e exercer o direito democrático de votar no segundo turno das eleições.

Entretanto, mesmo com o todo este enorme trabalho do Clube, sentimos que ainda persiste uma pressão preocupante por parte do TRE, às vésperas de uma das decisões mais importantes da nossa história. Uma pressão que impacta os jogadores e seus familiares e pode interferir negativamente em uma ocasião na qual a concentração do time é imprescindível.

Por fim, a diretoria do Flamengo, mais uma vez, se coloca à disposição das autoridades para trabalharmos conjuntamente e colaborar com o pleito eleitoral, garantindo sempre os direitos constitucionais e a tranquilidade de nossa delegação.