Flamengo empata com o Bangu em noite de retorno de Rodrigo Caio

A melhor notícia não foi o resultado contra o Bangu ou a atuação arrebatadora de um dos vários jovens escalados pelo técnico Mário Jorge (até porque ela não existiu). O Flamengo deixou o Raulino de Oliveira feliz nesta terça-feira, depois do empate com o Bangu em 1 a 1, graças ao retorno do zagueiro Rodrigo Caio.

Ele não atuava desde julho do ano passado, quando se lesionou durante partida contra o Corinthians, pelo Brasileiro, ainda aos 23 minutos do primeiro tempo. Recuperado, acumulou 60 minutos contra os banguenses. Saiu de campo ovacionado pela torcida em Volta Redonda. Um misto de reconhecimento pelos serviços prestados do campeão brasileiro e da Libertadores com boa dose de empatia.

O bom é que, no banco de reservas, acompanhou o restante do jogo sem requisitar qualquer tipo de tratamento no joelho direito.

Difícil cravar que isso seja suficiente para ser incorporado pelo técnico Vitor Pereira para a partida final da Supercopa do Brasil, sábado, no Mané Garrincha, contra o Palmeiras. Más já é um bom começo.

Pelo menos individualmente, o dia teve algum destaque. Em termos coletivos, as duas equipes foram pobres. Mais o Flamengo, especialmente no primeiro tempo. Tanto que o Bangu merecidamente desceu para o vestiário vencedor.

Na segunda etapa, o Flamengo veio com uma estratégia de jogo mais ousada, com a marcação mais alta. Rodrigo Caio manteve-se firme até os 15 minutos do segundo tempo, quando foi substituído. Teve tempo ainda de ver e festejar o fato de Lorran ter empatado.

O gol saiu mais de uma falha grotesca da saída de bola do Bangu do que necessariamente de uma jogada bem tramada pelo Flamengo. Vitor Pereira optou poupar todos os jogadores possíveis para o clássico contra o Palmeiras. Será o primeiro jogo contra Abel Ferreira à frente do Flamengo. Apesar de ser começo da temporada, existe a cobrança pelo título.