Flamengo enfrenta o Ceará sob risco de queda livre na tabela

Diogo Dantas
·2 minuto de leitura
Foto: Guito Moreto / Agência O Globo

Se antes a preocupação era não descolar da liderança, agora o Flamengo também precisa olhar para trás. O time de Rogério Ceni vive momento de queda na tabela após se manter na segunda colocação por algumas rodadas, e entra em campo para enfrentar o Ceará hoje, 16h, no Maracanã, e tentar reassumir o posto. Nesse momento, a realidade rubro-negra é se manter no G-6, que classifica o time para a Libertadores. Embora a distância para o líder São Paulo se mantenha em sete pontos.

A falta de um título na temporada já seria suficiente para uma reformulação no departamento de futebol, que pode culminar com a troca de técnico. Mas deixar passar a vaga no torneio sul-americano é algo que ninguém no clube cogita. Por isso, a ordem é retomar o caminho das vitórias, a qualquer custo, para em seguida voltar a jogar bonito. Se for possível as duas coisas, ótimo. Assim, depois da virada sofrida para o Fluminense, no Maracanã, o foco de Ceni e da diretoria foi em motivar os jogadores a acreditar que a corrida pelo título ainda é possível, a 11 rodadas do fim do torneio. E que para isso é preciso vencer, jogo a jogo.

Em campo, o Flamengo deve seguir sem o goleiro Diego Alves, que se recupera de uma lesão na coxa. Mas de resto terá força máxima entre os titulares. Uma das principais armas da equipe, o atacante Bruno Henrique lembrou que o Ceará deve se apresentar com postura defensiva como a usada pelo Fluminense. E que o Flamengo precisa saber furar o bloqueio.

— Se queremos ser campeões, temos que vencer. Não tem outro resultado que não seja esse. O Ceará vai vir do mesmo jeito que o Fluminense. Temos que mudar a postura e fazer os gols. Precisamos estar bem compactos, assim como era em 2019. Todos correndo para trás, e todos correndo para frente — pediu o camisa 27, que há muitos jogos não faz boas apresentações ao lado de Gabigol.

Substituído por Ceni no clássico, o camisa nove está novamente à disposição. Ainda com a sombra de Pedro, que tem números mais eficientes na finalização. O técnico acabou criticado por não ter mantido a dupla em campo contra o Fluminense e sacado, por exemplo, Éverton Ribeiro, que vinha em um dia ruim. A tendência, no entanto, é que a base do time seja repetida e Pedro entre no decorrer da partida. Assim como Vitinho, que volta de suspensão e é outra alternativa para furar defesas muito fechadas, pela facilidade de drible e chutes de longe. O que o Flamengo precisa mesmo é que suas peças rendam o que já renderam no clube.