Flamengo: Gabigol volta a sorrir com Ceni e vira facilitador

Diogo Dantas
·1 minuto de leitura
Alexandre Vidal - Flamengo / Agência O Globo
Alexandre Vidal - Flamengo / Agência O Globo

Quando ainda era jogador, Rogério Ceni enquadrou Gabigol em clássico entre São Paulo e Santos, em 2014. No Flamengo, o agora técnico fez do atacante um de seus homens de confiança para acelerar a adaptação ao clube. Titular hoje contra o Atlético-GO, pelo Brasileiro, 21h30, o camisa nove uniu a felicidade por ter voltado de lesão ao ambiente alto astral com a troca de comando.

Sem Pedro, convocado, Gabigol é o principal beneficiado do discurso de Ceni de respeitar o instinto dos atletas. Com Dome, o jogador chegou a ser barrado. Foram apenas 12 jogos em três meses depois de torcer o tornozelo. Com a sequência de Pedro, o goleador do time em 2019 perdeu o posto e tem 17 bolas na rede, contra 20 do concorrente. Ceni disse que os dois podem jogar juntos.

Desde a chegada de Ceni, Gabigol demonstrou satisfação e carinho com o novo comandante. Os dois foram vistos grudados falando sobre o Flamengo e sobre as ideias de jogo do agora técnico. A volta da alegria apareceu também no abraço apertado do primeiro treino, na postagem com o apelido de “mito” e nas pazes com o gol depois de dois meses em jejum em meio a recuperação de lesão.

Não há rusgas das farpas no clássico paulista. Após a não marcação de pênalti em cima do atacante, Gabigol reclamou do comportamento do ex-goleiro. “Sobre o pênalti, o Rogério manda no jogo”, atacou. “Assim, ele aprende como se joga”, retrucou Ceni. Hoje é só risada.