Flamengo não precifica Pedro e aguarda janela de olho em situação de Gabigol

O Flamengo está respaldado por um contrato até o fim de 2025 com Pedro e ainda tem parcelas a pagar à Fiorentina até o ano que vem pela compra do jogador. Se houver a oportunidade de vender o centroavante, o que o clube não vê como necessário, ela será analisada no meio do ano.

A diretoria tratou o discurso em tom de desabafo do atacante mais como um recado para os críticos que tentam opinar sobre os rumos da carreira. E não como um ameaça de saída, ou de que o atleta está insatisfeito com o clube e com o técnico Paulo Sousa.

No entendimento dos dirigentes, ainda não há necessidade de aceitar a transferência do jogador, que no começo do ano esteve no radar do Palmeiras. Na ocasião, houve uma sondagem para pagar 20 milhões de euros , mas o Flamengo não quis nem abrir negociações, já que confia em situação financeira sólida.

Após marcar um gol na vitória sobre o Altos-PI, Pedro falou sobre seu momento. E mudou sua postura.

- O que será daqui pra frente? Não consigo prever. Uma coisa é certa: minha dedicação e empenho com essa camisa serão sempre íntegros. Pela instituição e seus torcedores, que me abraçaram desde o meu primeiro dia. Tenho meus sonhos e objetivos pessoais. Para realizá-los, não preciso ser antiprofissional. Vou seguir 100% no Flamengo até quando for para ser - afirmou Pedro.

O jogador dá a entender que a continuidade no Flamengo agora é uma incógnita. Tudo vai depender se chegarão propostas, como vai estar a utilização dele no clube nesse cenário. Situação que agora não dá para prever. Se chegar uma proposta ele vai analisar junto com o Flamengo o que é melhor, sem forçar saída, mas também pensando em seus sonhos e objetivos. Que incluem, é claro, ser um jogador que jogue mais, para ser reconhecido no clube e na seleção brasileira.

Gabigol tem mais mercado

A oferta do Palmeiras em fevereiro foi vista internamente como vantajosa, mas descartada por se tratar de um rival brasileiro. A outra razão para negar a possibilidade antes e até agora é que o atacante titular, Gabigol, tem sondagens da Espanha e Inglaterra e mais mercado no exterior para que algo concreto chegue na próxima janela. Apesar da operação não ser simples nem barata. Em caso de venda, Pedro teria a sequência que deseja.

Não há por parte do Flamengo um preço estipulado que o faça vender Pedro, apenas uma conta em função do que o clube investiu. A análise do mercado sobre um atleta que custou 14 milhões de euros em 2020 como Pedro indicam a necessidade de venda por pelo menos 12 milhões de euros para que se recupere o valor depois de duas temporadas, e a três anos do fim do vínculo.

No Flamengo, o discurso de que Pedro só sairia pela multa, de cem milhões de euros, é teórico. Na prática, a oferta do Palmeiras já havia sido além do necessário. Como não joga com frequência, Pedro não se valoriza o suficiente para atrair olhares do exterior.

Em sua operação de compra, há R$ 36.758 milhões ainda em aberto para serem pagos à Fiorentina, de um total de R$ 102.641 milhões gastos entre direitos econômicos e intermediação. Se for vendido, o atacante faria o Flamengo economizar três anos e meio de salário, fora o valor devido ao clube italiano, que poderia ser repassado a quem comprar.

No entanto, a situação financeira do clube permite resistir mais tempo. O Flamengo tem a pagar R$ 181,8 milhões por aquisição de atletas, sendo R$ 87,3 milhões referentes à compra de jogadores no curto prazo (próximos 12 meses a partir de março 2022), e R$ 94,5 milhões parcelados de abril 2023 em diante.

Por outro lado, há R$ 127,6 milhões a receber pela saída de atletas, sendo R$ 57,8 milhões no curto prazo e R$ 69,8 milhões no longo prazo. A balança aponta R$ 29,5 milhões em valores a pagar maior que a receber.

A diretoria diz que há reservas para amortecer essa lacuna, mas o objetivo não é usá-las, mas sim preservar esse “colchão” para momentos de crise ou para oportunidades únicas de investimento.

Hoje, o décifit total do clube no primeiro trimestre de 2022 é de R$ 63,6 milhões, mas o momento inicial da temporada é sempre o de menor aporte financeiro.

Fato é que Pedro ainda não deu o retorno esperado em campo que justifique o alto investimento. Com a valorização do euro, a operação que custaria R$ 64 milhões passou para R$ 87 milhões em 2020. Com as comissões e luvas, chegou a R$ 102 milhões. É o atleta mais caro do elenco rubro-negro, porém reserva, com menos da metade dos minutos jogados por Gabigol.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos