Flamengo: O que segura Paulo Sousa mesmo depois das vaias e derrota para o Fortaleza

Após a derrota por 2 a 1 sobre o Fortaleza, no Maracanã, Paulo Sousa vive momento delicado no Flamengo. Apesar do risco de demissão não ser iminente, os resultados diante Bragantino e Internacional, ambos fora de casa, serão decisivos para a sua permanência no rubro-negro.

Entenda: Paulo Sousa explica ausência de Diego Alves

Existem pontos na avaliação interna que seguram o técnico português no cargo. Primeiramente, o presidente Rodolfo Landim. Neste momento, ele é o maior defensor da permanência do treinador. Porém, esse prestígio tem sofrido abalos recentemente. Na reunião junto a membros do Conselho de Futebol nesta segunda-feira, Paulo Sousa será um dos temas de debate. Ainda assim, a tendência é que o português faça os jogos fora de casa pelo Brasileiro.

Outro ponto é a multa rescisória, que gira em torno de R$ 6 milhões. O valor da rescisão contratual de Paulo Sousa é hoje correspondente à soma dos salários restantes no primeiro ano do vínculo. O português tem contrato até o fim de 2023, mas a multa só vigora em 2022. Com essa soma de vencimentos hoje, o valor estaria ao redor de R$ 6 milhões pelo restante do primeiro ano de contrato, mas cai com o tempo.

Análise: Fla termina sequência de jogos no Maracanã sem evolução e perspectiva positiva

Por fim, a falta de um substituto imediato. Se sair Paulo Sousa, a avaliação é que não há um nome pronto para assumir o Flamengo. Não é a ideia ir com um interino até o final do ano e não há nomes satisfatórias livre no mercado — o único é Cuca, mas de negociação difícil. Uma solução, também complicada, é retirar um técnico que esteja empregado.

Cuca como opção?

Dos nomes livres do mercado, o que agrada a maior parcela do Conselho de Futebol é Cuca, ex-Atlético-MG. Segundo o ge, o técnico já não encontra mais tanta resistência nos bastidores como em outros momentos, mas não é um nome de consenso.

No entanto, o treinador está esperando um contato para comandar a seleção brasileira após a saída de Tite. Segundo apurou a reportagem, o Fluminense tentou a sua contratação após a saída de Abel Braga e recebeu essa resposta do estafe do comandante.

Cuca sabe que é uma das opções para assumir o cargo e não quer se queimar como Renato Gaúcho em 2021. Portaluppi também estava na ira da CBF, mas um trabalho criticado no rubro-negro acabou atrapalhando as suas chances. Cuca não quer repetir esse caminho.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos