Flamengo perde outra vez para o Atlético-MG com show de Hulk e se complica na Copa do Brasil

O Flamengo demonstrou nova postura no reencontro com o Atlético-MG quatro dias depois, pela Copa do Brasil, mas perdeu outra vez. E agora, com direito a show de Hulk, autor de um gol de cobertura em falha de Diego Alves e bela jogada com assistência para Ademir: 2 a 1 no Mineirão. Lázaro descontou para um Flamengo mais aguerrido, com mais domínio das ações, só que ainda inofensivo para um primeiro jogo de mata-mata.

Agora, precisará vencer por pelo menos um gol de diferença no jogo de volta no Maracanã, no dia 13 de julho, para levar a decisão da vaga nas quartas de final para os pênaltis. Para avançar direto, precisará vencer por dois gols.

A incapacidade de transformar a posse de bola em chances de perigo passou pela má atuação dos meias Éverton Ribeiro e Arrascaeta, que ficaram com a bola mas não conseguiram infiltrar nem achar passes para Gabigol, outro bastante apagado.

Apesar de uma formação com três volantes que saíram bem para jogar - Arão, Gomes e principalmente Andreas - o Flamengo rodava a área do Atlético-MG e acabava optando por finalizações à distância ou cruzamentos na área sem muito propósito.

A estratégia dos donos da casa de atrair o adversário deu certo. Ao roubar a bola, o Atlético-MG saía em velocidade e pegou a defesa aberta várias vezes. Na primeira delas, Mariano viu a subida de Hulk nas costas de Filipe Luís. Sem cobertura dos zagueiros, o atacante se deparou com Diego Alves, que saiu do gol errado, e tocou por cobertura, marcando um golaço.

Com a vantagem, o Atlético-MG ajustou as linhas de marcação para esperar ainda mais o Flamengo, que mantinha maior posse de bola, finalizava mais, só que não oferecia real perigo. Além da ineficiência ofensiva, os erros técnicos na defesa foram fatais.

Após Hulk cortar bola em escanteio, Matheuzinho errou passe e devolveu a bola para o atacante arrancar no contra-ataque. Ele passou por Pablo e Arrascaeta, escapou da falta, e serviu Ademir, que fechada na segunda trave, para marcar o segundo gol, de cabeça.

Dorival Júnior fez modificações em série quando o Flamengo parecia entregue. E Lázaro conseguiu diminuir o placar após cruzamento de Rodinei. A entrada de Pedro surtiu pouco efeito, e Gabigol sumiu de vez da partida nos minutos finais.

A chance de empatar não veio como o esperado, e o Atlético-MG ainda conseguiu obrigar Diego Alves a fazer uma defesa difícil e acertou uma bola na trave do Flamengo. O placar acabou premiando uma estratégia mais fatal do clube mineiro, mais consciente do que fazia em campo, diante de um adversário que dominava as ações sem saber como agir.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos